Oeiras recebe 16.ª edição de evento de cardiologia 2VRT

25 de Março 2024

A 16.ª edição do 2VRT terá lugar no Hotel Lagoas Parque, em Oeiras, nos dias 4 e 5 de abril. A organização está a cargo da Unidade de Intervenção Cardiovascular do Hospital de Santa Cruz e da Unidade de Cardiologia de Intervenção do Hospital Fernando da Fonseca.

O 2VRT apresenta-se mais uma vez como um evento que privilegia a participação dinâmica, a discussão, a troca de experiências, contando com várias referências nacionais e internacionais e o patrocínio científico da EAPCI e ESC.

“O progresso permanente do conhecimento no campo cardiovascular torna fundamental a constante atualização de todos os que colaboram diariamente no cuidado de doentes cada vez mais complexos.” “A evolução na área da intervenção coronária e estrutural transformou a Cardiologia, exigindo diferentes estratégias no tratamento da embolia, da doença coronária e na abordagem da insuficiência cardíaca de etiologia valvular, aórtica, mitral e tricúspide. Dentro da Cardiologia, os Laboratórios de Hemodinâmica intervêm com seus mais recentes desenvolvimentos tecnológicos segundo uma estratégia clínica diária delineada em parceria com todos os outros profissionais especialistas que operam em nível hospitalar e ambulatório, e que garantem a continuidade dos cuidados, mesmo a longo prazo”, sublinha o comunicado de imprensa.

A organizou anunciou um programa de intervenções terapêuticas de 5 unidades, a Unidade de Intervenção Cardiovascular do Hospital de Santa Cruz, a Unidade de Cardiologia de Intervenção do Hospital Fernando Fonseca, Hospital de Évora, Hospital de Santa Maria e Hospital de Faro, transmitidas em tempo real para toda a audiência, que será convidada a participar ativamente durante os procedimentos. Haverá ainda 6 casos Live-in-a-box da responsabilidade dos hospitais de Santa Maria, Leiria, Erasmus Rotterdam, Garcia de Orta, Santa Cruz e Fernando Fonseca.

Na tarde de sexta-feira, dia 5, o 2VRT vai-se centrar no novo mundo do intervencionismo no tromboembolismo pulmonar agudo. O comunicado de imprensa explica que esta patologia de elevada prevalência e risco dispõe nos últimos anos de um inovador conjunto de terapêuticas percutâneas, sob a forma de trombectomia ou de trombólise intrapulmonar, com imediato impacto hemodinâmico e promissores resultados clínicos a médio-prazo.

Após uma mesa-redonda de atualização, haverá um alargado fórum multidisciplinar de discussão, centrado em casos clínicos e contanto com um vasto painel médico de especialistas nacionais e internacionais de diversas áreas de diferenciação, que darão o seu contributo para a divulgação e discussão destas técnicas.

O programa e as inscrições (gratuitas, com limite de vagas) encontram-se disponíveis aqui.

PR/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights