Miguel Castelo-Branco: “Prémios como este são sempre uma motivação”

06/01/2024
As candidaturas para o Prémio BIAL de Medicina Clínica 2024 encontram-se abertas até ao dia 31 de agosto. Em entrevista ao HealthNews, o vencedor da última edição, Miguel Castelo-Branco, neurocientista na Universidade de Coimbra, sublinhou o impacto que os prémios têm na carreira dos investigadores e na vida dos doentes.

HealthNews (HN)- Foi distinguido com o Grande Prémio BIAL de Medicina 2008 e com o Prémio BIAL de Medicina Clínica 2022. Que importância atribui a este Prémio no panorama da investigação em Medicina Clínica em Portugal?

Prof. Miguel Castelo-Branco (MCB)- Este prémio representa um incentivo notável para a investigação clínica no nosso País. Todos conhecemos as dificuldades crónicas do investimento público na área de investigação translacional e prémios como este são sempre uma fonte de motivação para quem trabalha nestas áreas.

HN- O trabalho vencedor da edição de 2022 reflete 15 anos dedicados à investigação na área do Autismo e perturbações do neurodesenvolvimento relacionadas. Como foi o desafio de resumir 15 anos de investigação numa obra de 150 páginas?

MCB- Foi sem dúvida um enorme desafio realizar esta síntese de um caminho que foi muito intenso e envolveu várias equipas que foram mudando ao longo dos vários anos, envolvendo médicos, psicólogos, engenheiros, biólogos, técnicos de saúde e associações de famílias de pessoas com autismo. Foi também um trabalho de reflexão sobre os novos caminhos que é preciso trilhar nesta área tão exigente da medicina e em que é preciso inovar nas intervenções de reabilitação.

HN- De que forma considera que esta distinção impactou a sua carreira de investigação?

MCB- O impacto é inegável pela visibilidade que trouxe. Mas acima de tudo traz responsabilidade de conseguir trazer respostas que tantas pessoas e famílias que agora nos procuram. E estamos à procura de soluções que tragam respostas no dia a dia das pessoas.

HN- Que outras áreas considera que podem ter potencial para revolucionar a Medicina Clínica?

MCB- Na minha área existem desenvolvimentos muito promissores na área das neurotecnologias, incluindo as interfaces homem-máquina e os jogos de neuroreabilitação. Trabalhamos também na área da visão onde colaboramos no estudo do impacto da terapia génica para recuperar pelo menos parcialmente certas capacidades visuais. Mas existem outras áreas a evoluir muito rapidamente como a imunologia e a oncologia.

HN- As candidaturas para o Prémio BIAL de Medicina Clínica 2024 encontram-se abertas até ao dia 31 de agosto. Que conselhos gostaria de deixar para quem está a pensar submeter a sua obra?

MCB- O conselho que dou é que as pessoas tragam e partilhem aquilo que melhor têm de si para tentar inspirar outros e criar as condições para que a reflexão conjunta leve a uma resposta mais rápida aos desafios da medicina clínica.

HN- Quais os principais desafios que os candidatos podem atravessar e qual a melhor forma de os ultrapassar?

MCB- O maior desafio para qualquer investigador clínico é duplo: ser criativo e conseguir demonstrar e comunicar aos outros o potencial das suas ideias e resultados. Não basta ter resultados potencialmente promissores, é preciso saber partilhar o conhecimento para que a ciência enquanto esforço comunitário possa evoluir.

HN- Na última cerimónia de entrega do Prémio, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou que “estes prémios fazem sentido por mudarem a vida de pessoas concretas”. Em que medida considera que prémios como este podem ter repercussão na vida dos pacientes?

MCB- Estes prémios mudam desde logo a vida dos doentes por trazerem maior visibilidade aos problemas que é preciso resolver, e ao apontar soluções que podem precisar da ajuda de investidores públicos ou privados. A consciencialização dos diversos interlocutores para o autismo é muito importante.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Relatório de saúde STADA 2024: sistemas de saúde na Europa precisam de reformas urgentes

Os sistemas de saúde europeus estão em crise e necessitam de uma reforma urgente, revela o Relatório de Saúde da STADA 2024. Este inquérito representativo, que envolveu cerca de 46.000 entrevistados em 23 países europeus, destaca que os sistemas de saúde não conseguem atender adequadamente às necessidades de muitos europeus, levando-os a assumir a responsabilidade pela sua própria saúde.

A Associação Nacional dos Técnicos de Emergência Médica (ANTEM) denuncia em comunicado a “peocupante” situação do Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), relatando sérios constrangimentos no atendimento dos pedidos de ajuda pelo CODU

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights