Portugueses com medo de ir a restaurantes, ginásios e usar transportes

28 de Maio 2020

Um estudo demonstra que os portugueses têm receio de frequentar cafés, restaurantes, bares, transportes públicos e ginásios. As conclusões obtidas pela Multidados –The Research Agency e da Guess What apontam um timing “entre um a dois meses para voltar à normalidade”.

De acordo com o estudo, que recolheu cerca de mil respostas entre 20 e 23 de maio, o desconfinamento não significa para muitos portugueses a retoma à normalidade. O receio de voltar aos hábitos antes da pandemia ainda é muito. Numa escala de 0 (pouco receio) a 10 (muito receito), os portugueses atribuem um valor de 7 à ida a bares e discotecas e 6 à ida a restaurantes e bares. Mais de 70% dos inquiridos admite que vai frequentar menos restaurantes, bares e discotecas. Em termos temporais, a intenção da maioria dos portugueses é de regressar a estes locais apenas daqui a um mês.

As estatísticas elaboradas pela Multidados apontam para que antes da pandemia “metade dos portugueses almoçava ou jantava em restaurantes pelo menos uma vez por semana e cerca de 60% frequentava cafés mais do que uma vez por semana. A frequência em bares e discotecas era também grande, sobretudo ao fim de semana, quando 32% dos portugueses frequentavam esses espaços”.

O mesmo estudo demonstra ainda que mais de metade dos inquiridos têm receio de voltar aos ginásios, apontando um retorno para daqui a dois meses. Mais de 60% admite que numa escala de 0 a 10, o medo de frequentar estes espaços é grande (8 em 10) e 90% garantem que “vão ter maior cuidado na selecção do seu ginásio”. No entanto, o receio pela prática de exercício ao ar livre é muito mais baixa (2 em 10).

Relativamente à utilização dos transportes públicos, 60% dos portugueses admite que vai utilizar menos vezes do que anteriormente. Os resultados apontam que a utilização de veículos próprios para deslocações aumente. Grande parte dos inquiridos só quer voltar a usar transportes públicos “daqui a mais de dois meses”.

Na prática de actividades de lazer, como reuniões com amigos e familiares os índices de receio são moderados. De 1 a 10, o receio de estar com amigos é de 5 e um pouco mais baixo quando se trata de estar com a família. Um dado é certo: 60% dos inquiridos vai diminuir o número de pessoas reunidas em convívio.

Para a realização do estudo, foram utilizados métodos CATI (Telefónico) e CAWI (online) a uma base de dados de utilizadores registados na plataforma da Multidados.

Vaishaly Camões

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Associação Portuguesa de Jovens Farmacêuticos junta partidos para debater o setor antes das legislativas

A Associação Portuguesa de Jovens Farmacêuticos (APJF) vai organizar, no próximo dia 26 de fevereiro, um debate público para discutir as principais preocupações do setor farmacêutico para os próximos anos. O evento “Prioridades para o Ecossistema Farmacêutico e da Saúde”, a ter lugar no Centro Ciência Viva, em Lisboa, vai reunir representantes dos partidos políticos num debate que antecede as eleições legislativas. 

Workshop sobre Obesidade assinala Dia Mundial no Porto

No próximo dia 4 de março, Dia Mundial da Obesidade, a cidade do Porto acolhe um workshop gratuito sobre Obesidade, com o intuito de se falar abertamente sobre esta doença que afeta quase mil milhões de pessoas em todo o mundo.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights