Especialistas apoiam restrições adotadas para travar crescimento exponencial

31 de Maio 2020

As medidas de restrição adotadas em Portugal para responder à pandemia de covid-19 foram necessárias e justificadas pelo impacto desconhecido que o vírus poderia ter no país, consideram vários médicos especialistas em saúde pública ouvidos pela Lusa.

Apesar de nas últimas semanas terem surgido na imprensa e nas redes sociais críticas a um suposto sobredimensionamento da resposta para os números da passagem do vírus SARS-CoV-2 nestes três meses, associando ainda o impacto dessas medidas na economia e nas contas públicas, o consenso médico aponta para uma clara mitigação da mortalidade por oposição a um cenário sem restrições ou confinamento.

“Todas as intervenções estão sujeitas a críticas. Seguramente, houve coisas que foram bem feitas e outras nem por isso. Agora, fazer prognósticos depois do jogo é mais fácil. As medidas que foram tomadas foram aquelas que, perante a informação que tínhamos nesse momento, pareceram as mais adequadas”, afirma Ricardo Mexia, presidente da Associação Nacional de Médicos de Saúde Pública (ANMSP).

Sublinhando a contenção do “crescimento exponencial que se verificou noutros contextos, como Espanha, Itália, EUA ou Brasil”, Ricardo Mexia admite o “impacto importante” na economia e os custos de uma crise na saúde das pessoas. Contudo, o especialista em saúde pública lembra o contexto de incerteza e a necessidade de ações que, segundo um princípio de proporcionalidade, possam responder a uma “escala tão grande” quanto o cenário.

“Se olharmos friamente para os números, não parecem ser muito expressivos. Mas não podemos ignorar que esses são os números perante medidas muito significativas e que, se não tivéssemos implementado essas medidas, seriam seguramente diferentes”, nota, acrescentando: “Se não as tivéssemos implementado, poderíamos estar agora a lamentar o desfecho, achamos que a situação teria sido pior”.

Por sua vez, o pneumologista Filipe Froes rebate as críticas que têm surgido, apelando a análises com comparações “em igualdade de circunstâncias” e que equiparem a realidade atual do país com o que teria acontecido sem a adoção do confinamento da população.

“Perante um cenário de uma pandemia, o grande desafio é liderar e decidir na incerteza. E perante a incerteza, o imprevisto e o desconhecido, temos de estar sempre preparados para o que pode acontecer. Nessa perspetiva, é um dever das autoridades e dos profissionais prepararem o Serviço Nacional de Saúde e o país para qualquer eventualidade que possa pôr em causa a saúde pública e a saúde individual de Portugal”, refere.

De acordo com o membro da ‘task force’ da Direção-Geral da Saúde, a exigência colocada pela propagação do novo coronavírus e os efeitos que já eram visíveis noutros países reforçavam a importância de conseguir a melhor preparação possível e a defesa da confiança das pessoas nas autoridades sanitárias.

“Era como nos prepararmos para um sismo e só nos prepararmos para os primeiros dois ou três graus da escala de Richter, convencendo-nos de que estávamos preparados. E isso não é preparação, isso é ilusão”, explica Filipe Froes, recuperando uma velha máxima: “Temos de nos preparar para o pior e esperar o melhor”.

Já o virologista Pedro Simas assinala que “nenhum país no mundo estava preparado” para a pandemia de covid-19 e que o “isolamento funcionou” sem, todavia, resolver o problema. Para o investigador do Instituto de Medicina Molecular, a estratégia adotada permitiu a Portugal “ganhar algum tempo” e evitar uma vaga demasiado grande.

“Se não tivéssemos feito nada, a gravidade era igual à de outros países, porque o vírus é igual e as sociedades são mais ou menos iguais. Em todos os países em que não houve restrições, ou estas foram muito tardias, houve muitos casos e muitas mortes. São factos”, sintetiza, realçando a impossibilidade de controlar “um fenómeno natural” como este novo coronavírus e a dificuldade colocada aos decisores políticos por uma “sociedade muito complexa”.

Porém, Pedro Simas não esconde que está “apreensivo” com o futuro e alerta que “o potencial pandémico é maior agora do que há três meses”, uma vez que não existe apenas um foco localizado de infeção e o vírus já se espalhou por todo o mundo. O virologista observa, por isso, que “o medo não é solução” e que é necessário avançar na construção da imunidade de grupo sem expor as pessoas mais vulneráveis ao SARS-CoV-2.

“As pandemias só se resolvem quando houver imunidade de grupo e isso pode ser construído de duas formas: ou com vacina ou com infeção natural. Não temos vacina, podemos jogar de forma inteligente com essa infeção natural para ir construindo a imunidade aos poucos, mas temos de proteger os grupos de risco, porque, senão, há uma calamidade. Portanto, é preciso ter medidas inteligentes”, conclui.

Em Portugal, morreram 1.396 pessoas das 32.203 confirmadas como infetadas, e há 19.186 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 364 mil mortos e infetou mais de 5,9 milhões de pessoas em 196 países e territórios. Mais de 2,4 milhões de doentes foram considerados curados.

Portugal entrou no dia 03 de maio em situação de calamidade devido à pandemia, que sexta-feira foi prolongado até 14 de junho, depois de três períodos consecutivos em estado de emergência desde 19 de março.

Esta fase de combate à covid-19 prevê o confinamento obrigatório apenas para pessoas doentes e em vigilância ativa e o uso obrigatório de máscaras ou viseiras em transportes públicos, serviços de atendimento ao público, escolas e estabelecimentos comerciais.

O Governo aprovou sexta-feira novas medidas para entrarem em vigor em 01 junho, com destaque para a abertura dos centros comerciais (à exceção da Área Metropolitana de Lisboa, que continuarão encerrados até, pelo menos, 04 de junho), dos ginásios ou das salas de espetáculos. Estas medidas juntam-se às que entraram em vigor no dia 18 de maio, entre as quais a retoma das visitas aos utentes dos lares de idosos, a reabertura das creches, aulas presenciais para os 11.º e 12.º anos e a reabertura de algumas lojas de rua, cafés, restaurantes, museus, monumentos e palácios.

No sábado regressaram as cerimónias religiosas comunitárias enquanto a abertura da época balnear acontecerá em 06 de junho.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

UC integra estudo mundial sobre aumento da obesidade

Mais de um bilião de pessoas vivem atualmente com obesidade no mundo, segundo um estudo internacional em que participaram investigadores da Universidade de Coimbra (UC), divulgou a instituição.

Quinze ULS terão equipas dedicadas na área da Saúde Mental

Os primeiros Centros de Responsabilidade Integrados dedicados à Saúde Mental vão arrancar em 15 Unidades Locais de Saúde, numa primeira fase em projeto-piloto e durante 10 meses, segundo uma portaria publicada em Diário da República.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights