IPO de Lisboa lança aplicação móvel para doentes

9 de Junho 2020

O Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa lançou uma aplicação móvel dirigida aos seus doentes, na qual podem ter acesso à sua agenda de consultas, tratamentos, exames e à medicação que estão a tomar, anunciou hoje a instituição.

“Com a MyIPO Lisboa procuramos responder a uma necessidade identificada pelos doentes e facilitar o seu contacto com o instituto e com os seus profissionais de saúde, evitando deslocações por motivos que podem agora ser resolvidos através das funcionalidades que colocamos ao seu dispor”, sublinha a instituição em comunicado.

Através da aplicação móvel MyIPO Lisboa, os doentes em tratamento e/ou seguimento no Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil podem ainda agendar a entrega de medicamentos ou solicitar o seu envio para uma farmácia perto do seu local de residência.

“A ‘app’ também permite que os doentes possam pedir relatórios para efeitos de junta médica ou Atestado Médico de Incapacidade Multiusos, um documento essencial para que as pessoas com doença oncológica possam beneficiar dos direitos que a lei lhes confere”, refere o IPO de Lisboa em comunicado.

Os doentes podem solicitar também a disponibilização dos resultados dos exames e análises já vistos pelo médico assistente, aceder às recomendações e preparações antes da realização de análises e exames, descarregar declarações de presença e consultar o seu histórico no IPO.

A MyIPO, que pode ser instalada gratuitamente através do Google Play ou da App Store, disponibiliza ainda informação institucional e também permite o acesso direto ao portal de internet e às redes sociais do Instituto.

Para instalação da ‘app’, o registo deve ser efetuado com o número de telemóvel que está associado ao processo clínico no IPO Lisboa ou com chave móvel digital. A aplicação também está disponível no portal de internet do IPO (www.ipolisboa.min-saude.pt ).

“Com a MyIPO Lisboa procuramos responder a uma necessidade identificada pelos doentes e facilitar o seu contacto com o Instituto e com os seus profissionais de saúde, evitando deslocações por motivos que podem agora ser resolvidos através das funcionalidades que colocamos ao seu dispor”, sublinha a instituição.

Por ano, são assistidos no IPO Lisboa cerca de 14 mil novos utentes e estão em tratamento/acompanhamento mais de 57 mil doentes.

A estes números acrescem mais de 36 mil sessões de quimioterapia e mais de 85 mil tratamentos de radioterapia, segundo dados publicados no site da instituição.

Quanto ao cancro pediátrico, o IPO Lisboa recebe cerca de 200 novos casos por ano e tem 450 crianças em tratamento.

LUSA/HN

3 Comments

  1. Fernando de Almeida Costa

    Muito útil para os doentes! Tenho sido acompanhado no IPO e só tenho a agradecer e louvar a vossa atenção e dedicação .Quer de médicos enfermeiros e todo ,todo o pessoal tenho tido grande apoio ..Muito e muito obrigada

  2. Isaura Fontes

    Excelente! Gostaria é de ter um aplicativo assim para receber notícias dos familiares internados. Estou falando do Brasil e esta muito difícil saber notícias…

  3. Fernanda batista

    Tenho sido acompanhada no ipo , fiz 2 cirurgias quero agradecer a toda a equipa e louvar toda atenção e carinho … muito obrigado

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

UC integra estudo mundial sobre aumento da obesidade

Mais de um bilião de pessoas vivem atualmente com obesidade no mundo, segundo um estudo internacional em que participaram investigadores da Universidade de Coimbra (UC), divulgou a instituição.

Quinze ULS terão equipas dedicadas na área da Saúde Mental

Os primeiros Centros de Responsabilidade Integrados dedicados à Saúde Mental vão arrancar em 15 Unidades Locais de Saúde, numa primeira fase em projeto-piloto e durante 10 meses, segundo uma portaria publicada em Diário da República.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights