Atuação de António Guterres na pandemia ”tem sido exemplar”

20 de Junho 2020

A atuação do secretário-geral da ONU, António Guterres, durante a pandemia de covid-19, “tem sido exemplar”, afirma o ministro dos Negócios Estrangeiros, que, pelo contrário, lamenta a inação do Conselho de Segurança.

“A atuação do secretário-geral tem sido exemplar”, afirma Augusto Santos Silva em entrevista à Lusa, afastando para já pronunciar-se sobre uma recandidatura do português ao cargo, por considerar “demasiado cedo para falar disso”.

António Guterres “foi muito vigoroso e muito tempestivo, oportuno, quando fez a proposta, que infelizmente nem todas as partes ainda aceitaram, de um cessar-fogo geral, para não acrescentar aos problemas da pandemia os problemas de conflitualidade militar”, aponta.

Também “foi e tem sido muito oportuno no seu alerta sobre a gravidade da pandemia em si e das respetivas consequências” e “tem sido incansável na mobilização da comunidade internacional em favor das regiões e dos países mais vulneráveis aos efeitos da pandemia”, acrescenta.

O ministro distingue esta ação do Conselho de Segurança da ONU, afirmando que “é triste constatar que ainda não conseguiu sequer uma posição comum sobre a pandemia”.

Realça, contudo, que “a grande instância da concertação internacional possível na resposta à pandemia é uma organização das Nações Unidas chamada Organização Mundial de Saúde (OMS)”, para frisar a importância da ONU no multilateralismo.

“Nós, sem Nações Unidas não vamos lá, é muito importante ter isso em conta”, afirma.

“Não podemos desenvolver o comércio internacional sem a Organização Mundial do Comércio, não podemos cooperar entre nós no âmbito da cultura, da educação, da ciência, sem a UNESCO, não podemos acudir à fome no mundo sem o Programa Alimentar Mundial, não podemos amparar e apoiar os migrantes sem a Organização Internacional dos Migrantes”, exemplifica.

Questionado sobre se o Governo português já trabalha para a reeleição de António Guterres, Santos Silva considera que “ainda é cedo para falar disso” e frisa que Portugal respeita “os direitos e a liberdade individual de cada um”, uma alusão ao facto de o português não ter anunciado a intenção de voltar a concorrer ao cargo.

Mas acrescenta: “O secretário-geral tem mandato até o fim de 2021 [e] não é segredo para ninguém que nos revemos inteiramente quer no programa, quer na ação do atual secretário-geral das Nações Unidas”.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Altamiro da Costa Pereira: “A Inteligência Artificial não passa de mais uma ferramenta à disposição do médico”

O impacto das tecnologias no ensino da Medicina e da prática clínica foi o tema escolhido para encerrar o ciclo de conversas conduzidas pelo professor catedrático, Jorge Polónia. Desta vez, e para terminar com ‘chave de oro’, o convidado foi o Diretor da Faculdade de Medicina do Porto, o Prof. Altamiro da Costa Pereira. O responsável destacou que apesar de a Inteligência Artificial ser uma ferramenta “poderosíssima”, esta “nos dá por si só novo conhecimento”, o que significa que “a investigação vai continuar a ser feita” e os médicos vão ser sempre necessários.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights