Investigadores descobrem que hormona testada contra obesidade pode piorar infeções

23 de Junho 2020

Cientistas do Instituto Gulbenkian de Ciência descobriram que uma hormona que a indústria farmacêutica está a estudar para tratar a obesidade diminui a resistência do organismo às infeções provocadas por bactérias.

A hormona GDF15 é um fator de risco para a sépsis, uma doença potencialmente fatal caracterizada por uma “resposta desregulada do organismo a uma infeção levando ao mau funcionamento dos órgãos”.

Em comunicado, o Instituto indica que a investigação coordenada por Luís Moita mostra como “numa altura em que muitos grupos e empresas farmacêuticas diferentes estão a considerar a administração de GDF15 como uma possível terapia complementar na obesidade, é importante ter em conta que esta estratégia terapêutica pode aumentar o risco de infeção grave, incluindo sépsis”.

A investigação, em que também trabalharam cientistas em França, na Alemanha e na Coreia do Sul, foi publicada na revista científica da Academia Nacional das Ciências norte-americana.

A sépsis afeta milhões de pessoas todos os anos, estimando-se que seja responsável por 20% das mortes por ano em todo o mundo.

De acordo com um estudo publicado na revista Lancet, em 2017 morreram 11 milhões de pessoas com sépsis.

A equipa liderada por Luís Moita descobriu que a hormona, cuja presença no corpo aumenta em casos de obesidade, doenças pulmonares ou cardiovasculares, tem “um efeito crítico na infeção”.

Usando amostras de sangue de doentes com sépsis e de outros saudáveis, concluíram que “os pacientes com sépsis tinham níveis mais aumentados de GDF15 em comparação com os outros grupos, e que os níveis mais elevados dessa hormona se correlacionavam com a mortalidade”.

Estudando ratos que não tinham a hormona, descobriram que sobreviviam “melhor a uma infeção bacteriana abdominal que imita a sépsis em pacientes humanos”.

O que aconteceu foi que conseguiam “recrutar substancialmente mais glóbulos brancos, especificamente neutrófilos, para o abdómen, controlando assim melhor a infeção localmente e impedindo que esta se alastrasse rapidamente para o resto do organismo”.

Os resultados da investigação apontam para a possibilidade de poder haver um novo tratamento para a sépsis com um anticorpo monoclonal bloqueador que iniba a ação do GDF15.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Relatório de saúde STADA 2024: sistemas de saúde na Europa precisam de reformas urgentes

Os sistemas de saúde europeus estão em crise e necessitam de uma reforma urgente, revela o Relatório de Saúde da STADA 2024. Este inquérito representativo, que envolveu cerca de 46.000 entrevistados em 23 países europeus, destaca que os sistemas de saúde não conseguem atender adequadamente às necessidades de muitos europeus, levando-os a assumir a responsabilidade pela sua própria saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights