China afirma que vai encerrar gradualmente todos os mercados de aves vivas

3 de Julho 2020

A China vai fechar gradualmente todos os mercados onde aves vivas são vendidas, visando reduzir os riscos para a saúde pública, informou esta sexta-feira a imprensa oficial.

Chen Xu, alto funcionário da Administração Estatal de Regulação do Mercado, afirmou que “serão impostas restrições ao comércio e ao abate de aves vivas”, embora nenhum detalhe adicional tenha sido divulgado até à data.

Chen também reiterou que Pequim vai reforçar a punição do comércio e consumo ilegais de animais selvagens.

O vice-presidente para a Ásia da organização Pessoas pelo Tratamento Ético dos Animais (PETA), Jason Baker, saudou a notícia: “Reduzirá o sofrimento de milhões de animais todos os dias. A PETA espera que a medida seja ampliada para que sejam encerrados todos os mercados de animais vivos em todo o país”.

As autoridades chinesas terão aumentado a atenção sobre o monitoramento da segurança alimentar e da saúde nos mercados de produtos frescos após o surto de Covid-19, que foi detetado em Wuhan, no final de dezembro passado, antes de se alastrar pelo mundo.

A doença terá tido origem num mercado que vendia animais selvagens. No mês passado, uma segunda vaga do surto em Pequim teve origem em Xinfadi, o maior mercado abastecedor da capital chinesa de produtos frescos, como carne e legumes.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 521 mil mortos e infetou mais de 10,88 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A China possui cerca de 44.000 mercados produtores – nos quais, por exemplo, os agricultores vendem os seus produtos diretamente ao público.

Cerca de 70% dos produtos agrícolas do país são distribuídos neste tipo de instalações.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Altamiro da Costa Pereira: “A Inteligência Artificial não passa de mais uma ferramenta à disposição do médico”

O impacto das tecnologias no ensino da Medicina e da prática clínica foi o tema escolhido para encerrar o ciclo de conversas conduzidas pelo professor catedrático, Jorge Polónia. Desta vez, e para terminar com ‘chave de oro’, o convidado foi o Diretor da Faculdade de Medicina do Porto, o Prof. Altamiro da Costa Pereira. O responsável destacou que apesar de a Inteligência Artificial ser uma ferramenta “poderosíssima”, esta “nos dá por si só novo conhecimento”, o que significa que “a investigação vai continuar a ser feita” e os médicos vão ser sempre necessários.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights