Bolsonaro diz que aborto na Argentina legaliza a morte de crianças com anuência do Estado

31 de Dezembro 2020

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, criticou a legalização do aborto na Argentina ao afirmar que as vidas das crianças argentinas passam a poder ser abreviadas “com o consentimento do Estado”.

“Lamento profundamente pelas vidas das crianças argentinas, agora sujeitas a serem ceifadas no ventre de suas mães com anuência do Estado”, escreveu Bolsonaro na rede social Twitter.

“No que depender de mim e do meu Governo, o aborto jamais será aprovado em nosso solo. Lutaremos sempre para proteger a vida dos inocentes!”, acrescentou o chefe de Estado brasileiro, que conta com o apoio das igrejas evangélicas neopentecostais e católicos conservadores, dois grupos que se opõem a legalização do aborto.

Na quarta-feira de manhã, o Senado argentino aprovou a legalização do aborto até a 14ª semana de gravidez.

O Presidente argentino, Alberto Fernandez, saudou a medida, dizendo que ela torna a Argentina “uma sociedade melhor, que amplia os direitos das mulheres e garante a saúde pública”.

No Brasil o aborto é punido com pena de três anos de prisão e só é permitido em casos de violação, perigo para a vida da mãe ou em caso de anencefalia, uma má-formação grave do feto.

O Supremo Tribunal Federal brasileiro realizou uma série de audiências públicas sobre a legalização do aborto em agosto de 2018.

Numa delas, a advogada Maria de Fátima, representante do Ministério da Saúde do ex-presidente brasileiro Michel Temer, afirmou que apesar da legislação muito restritiva, uma em cada cinco mulheres brasileiras já havia feito um aborto. Segundo ela, 203 mulheres morrem a cada ano no Brasil após abortos clandestinos e 250 mil são hospitalizadas por complicações.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Relatório de saúde STADA 2024: sistemas de saúde na Europa precisam de reformas urgentes

Os sistemas de saúde europeus estão em crise e necessitam de uma reforma urgente, revela o Relatório de Saúde da STADA 2024. Este inquérito representativo, que envolveu cerca de 46.000 entrevistados em 23 países europeus, destaca que os sistemas de saúde não conseguem atender adequadamente às necessidades de muitos europeus, levando-os a assumir a responsabilidade pela sua própria saúde.

A Associação Nacional dos Técnicos de Emergência Médica (ANTEM) denuncia em comunicado a “peocupante” situação do Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), relatando sérios constrangimentos no atendimento dos pedidos de ajuda pelo CODU

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights