Suspeitas de fuga de gás obriga encerramento de Centro de Saúde de Valbom em Gondomar

30 de Julho 2021

O Centro de Saúde de Valbom, em Gondomar, está encerrado provisoriamente após alguns dos seus profissionais terem revelado sintomas compatíveis com a inalação de gás metano, numa situação que especialistas já estão a analisar.

Fonte da Administração Regional de Saúde do Norte (ARS-Norte) disse hoje à agência Lusa que um primeiro alerta para o caso foi dado pelas 17:30 de quinta-feira, “quando alguns profissionais começaram a tossir e com comichão nos olhos”, pelo que de imediato foram acionados os bombeiros e os serviços de saúde pública e saúde ambiental.

“Fomos alertados para uma fuga de gás, fizemos a nossa avaliação, não foi detetado nada. Contudo, o caso está agora a ser avaliado por engenheiros da ARS-Norte”, contaram os bombeiros de Valbom.

A própria ARS-Norte explicou que, após essa avaliação, a atividade no centro de saúde foi retomada ainda na quinta-feira, sendo novamente interrompida já hoje quando alguns funcionários voltaram a evidenciar sintomas similares aos da véspera.

“A diretora executiva encerrou então a unidade e mandou profissionais e utentes para a Unidade de Saúde Familiar de Monte Castro, em Gondomar, distrito do Porto, até que a situação esteja clarificada”, contou a fonte.

O regresso às instalações de Valbom só acontecerá se e quando surgir ‘luz verde’ dos engenheiros do Gabinete de Instalações e Equipamentos da ARS-Norte.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights