Maria Eugénia Saraiva: “As pessoas continuam a ter medo e a não dizer que vivem com esta infeção”

01/15/2021
O medo do desconhecido, o estigma e o receio de ser identificado como portador de Covid-19 parece ser um déjà vu dos anos oitenta, época em que surgiu a infeção por VIH.

A Presidente da Liga Portuguesa Contra a SIDA considera que “um dos maiores problemas que o mundo moderno enfrenta são as pandemia”. Preocupada com a falta de cuidados médicos e situação de pobreza de muitos utentes sublinha que a luta contra a qualidade de vida vai continuar a ser “uma prioridade” da liga. Admite que existe uma nova preocupação:  desvalorização da doença por parte de muitos jovens.

HealthNews (HN)- A LPCS surge na década de 90 com a missão de prestar apoio a doentes com VIH e para alertar a sociedade para a gravidade da doença. Como recorda a chegada do vírus a Portugal?

Maria Eugénia Saraiva (MES)- Há trinta anos a Liga surgiu quando todas as pessoas enfrentavam esta pandemia com o medo inerente que hoje vivemos em relação à Covid-19. Pouco se sabia. Todos temíamos um vírus desconhecido. Falo inclusive de profissionais de saúde que foram aprendendo a lidar com a infeção por VIH e a doença por SIDA. Era uma doença que estava associada a uma mortalidade elevada e aos chamados “grupos de risco”. Havia um rótulo ligado aos artistas, a músicos, a cantores, a celebridades, como por exemplo o António Variações, em Portugal, que faleceu em 1984 e o Rock Hudson, em Hollywood, que faleceu em 1985, dois dos primeiros artistas conhecidos a morrer por complicações de saúde agravadas pelo VIH e SIDA. Mas para além das pessoas a verem como uma doença dos artistas, também associavam a outros grupos, como os que incluíam homossexuais, toxicodependentes e prostituição.

Hoje, conseguimos falar desta epidemia não colocando a nota em “grupos de risco”, mas sabemos que existem populações mais vulneráveis e com um risco mais elevado de exposição às infeções sexualmente transmissíveis (IST). Sabemos que se não nos protegermos e usarmos o preservativo numa relação ocasional, qualquer um de nós pode ficar infetado.

HN- Continua a prevalecer o estigma?

MES- Existe ainda o vírus do estigma e da discriminação associado ao VIH e é sentido pela maior parte das pessoas que vive com a infeção, direta e indiretamente. Comparativamente há 30 anos, o estigma era sentido de forma diferente, levando ao isolamento e até ao ostracismo, mas hoje as pessoas continuam a ter medo e a não dizer que vivem com esta infeção, pelo receio de serem julgadas, muitas vezes pela própria família e pelo seu núcleo de amigos. Hoje este mesmo vírus, faz com que muitas pessoas tenham dificuldade em dirigir-se à unidade móvel de rastreio “Saúde + Perto”, para saberem se estão infetadas, sem sentir o auto-estigma. A perceção destas pessoas é a que ao entrarem numa estrutura relacionada com o VIH, podem ser julgadas ou apontadas e até identificadas. Esta é a nossa grande preocupação. Temos de combater este vírus social associado a infeção por VIH e outras IST e passar a mensagem que todos podemos nos infetar se não nos protegermos e por isso a mensagem da prevenção continuar a ser atual e tão importante.

HN- Há pouco mencionou alguns fatores de semelhança entre a forma como a Covid-19 é encarada e a forma como a infeção por VIH o foi há trinta anos. Existem paralelismos?

MES- Um dos maiores problemas que o mundo moderno enfrenta são de facto as pandemias. A pandemia por vírus de imunodeficiência humana (VIH) e que levou a que muitos contraíssem a doença (SIDA) quando surgiu na década de oitenta foi também sentida como uma ameaça. O medo do desconhecido fez com que muitas pessoas tivessem reações como aquelas que hoje assistimos face ao Covid-19, por ser uma doença nova e sobre a qual a ciência e os especialistas ainda não têm muitas respostas. Não podemos dizer que não existe semelhanças entre o VIH e a Covid-19, quando alguns grupos, nomeadamente os profissionais de saúde, sentem o estigma associado à doença. E é o medo de ser estigmatizado, que pode levar algumas pessoas a não realizarem o teste de rastreio tão cedo quanto possível e desejável e a esconder os sintomas da infeção e doença para evitar serem alvos de discriminação. O paralelismo que fazemos é em relação às pandemias que surgem e à mortalidade associada a estas pandemias.

E naturalmente à relação que existe com o fator da prevenção. No caso do novo coronavírus falamos na higienização das mãos e da etiqueta respiratória, do uso de máscara… há trinta anos falávamos no uso do preservativo como o método mais importante para não transmitirmos a infeção e para não nos infetarmos. Em termos de mensagem é igual: todos somos vulneráveis para contrair este tipo de infeções e todos temos de cuidar de nós e dos outros, utilizando as devidas proteções. À semelhança do VIH, o mais importante é:  promover a educação para a saúde e a prevenção da doença, rastrear para diagnosticar o mais precocemente, tratar todos de forma adequada e atempadamente e combater o estigma com mensagens claras, baseadas em dados e factos científicos fiáveis, reduzindo o stress de todos aqueles que vivem com a doença e para a doença, nomeadamente os profissionais do SNS mas também aqueles que complementam o SNS, com o suporte clinico e social integrado como a Liga e outras instituições o fazem.

HN- Muitas conquistas foram alcançadas nos últimos trinta anos nesta área. Não teme que a pandemia evapore o trabalho até agora conquistado em Portugal?

MES- Ao longo destes últimos trinta anos, a Liga Portuguesa Contra a SIDA tem procurado lutar pela qualidade de vida das pessoas que vivem com a infeção por VIH entre outras infeções sexualmente transmissíveis. A qualidade de vida tem vários domínios, nomeadamente, a variável psicológica, emocional, sexual, física, social e económica e o apoio integrado da Liga tem procurado ir ao encontro das necessidades e bem-estar físico e psicológico dos nossos principais destinatários. A qualidade de vida destes é por isso uma prioridade a manter, principalmente em tempos de Covid-19. Para tal é necessário que os doentes tenham acesso a cuidados de saúde, mantenham as suas consultas, realizem as análises, e tenham acesso à medicação e tenham uma boa adesão terapêutica. Para isso, a Liga tem procurado alertar a sociedade, mas também os órgãos de soberania, que para além da Covid-19 existem outras infeções e doenças que merecem a atenção de todos. Este é o nosso papel.

HN- De que forma a associação se adaptou à pandemia?

MES- Desde o início da pandemia que nos mantivemos no terreno. Alargámos o horário de atendimento da linha SOS SIDA, que com a experiência de 30 anos e do saber dos técnicos de saúde que a constituem, pode fazer a gestão da informação, do stress e da ansiedade de quem nos procurou neste último ano e continua a procurar. Procurámos ter uma escuta ativa e disponibilidade para todos que numa primeira fase se mostraram assustados e perdidos. Era essencial transmitir uma informação clara e credível e por isso os técnicos precisaram de estar permanentemente atualizados com a informação facultada pela Direção-Geral da Saúde (DGS). Quando percebemos que as pessoas tinham dificuldade e receio em dirigir-se às nossas unidades móveis, adaptámo-nos e fizemos reajustamentos para servir os nossos principais destinatários. Começámos por fazer o levantamento da medicação nos hospitais e entregar a mesma aos utentes. Quando as farmácias hospitalares encerraram, mantivemos o levantamento nas farmácias comunitárias e, através dos nossos profissionais e técnicos de saúde, entregámos e enviámos a medicação antirretroviral e outra que nos solicitavam, de forma a que os utentes não se expusessem à Covid-19. Nestas entregas incluímos outros bens de primeira necessidade, nomeadamente bens de higiene e alimentação, tendo em conta o isolamento físico de alguns utentes. Esta adaptação de serviços foi também importante para que os utentes se sentissem seguros e sentirem que, apesar do SNS nem sempre conseguir dar respostas atempadas, a Liga Portuguesa Contra a SIDA está disponível para apoiar como sempre teve.

HN- Estamos a atravessar um período de incerteza, inclusive para os doentes seropositivos. A nível político existem recursos para garantir a segurança e o sustento de um doente que fica em situação de desemprego?

MES- Não há diferenças para uma pessoa que vive com VIH ou com outra infeção ou doença. Neste momento estamos todos no mesmo barco, com todos os receios inerentes à situação económica e financeira do país e do mundo. Contudo, existem populações mais vulneráveis do que outras e o que temos assistido por parte dos utentes que nos procuram, relaciona-se com um aumento de pedidos de apoio social, relacionados com a situação profissional, com empréstimos que não se conseguem pagar, e que o apoio jurídico da Liga tem apoiado, com os bens de primeira necessidade, nomeadamente a alimentação. Existe uma pobreza envergonhada de pessoas que recorriam aos nossos serviços, mas que não tinham estas dificuldades porque tinham emprego e isso independentemente de viverem com VIH, hepatites virais ou outra doença. Para a Liga não existe diferença. Todos que nos procuram são utentes e todos têm que ser atendidos, podendo ser encaminhados e orientados para outros serviços e/ou parceiros sociais.

Do nosso lado, tentamos incluir todos em situação de exclusão e carência. Dando o nosso melhor e de forma empática, através dos apoios disponibilizados que continuam a ser gratuitos e confidenciais. Não conseguimos dar um ordenado, não conseguimos um emprego no imediato, mas temos apoiado estas pessoas através de realização de currículos, através de medidas de reabilitação e de inserção social e dos apoios disponíveis. Dentro das nossas possibilidades, e sem poder dar qualquer apoio financeiro, reencaminhamos e incluímos estes doentes em medidas de apoio estatais.

HN- A LPCS tem também sentido algumas dificuldades?

MES- De facto nós próprios enquanto Liga, sentimos as dificuldades inerentes à escassez de entrada de donativos, porque dificilmente conseguimos receber donativos, quando perdemos sócios e quando os nossos associados perdem os seus empregos e vemos as pequenas e médias empresas que sempre nos apoiaram a serem encerradas. Acreditamos no poder da informação dos órgãos de comunicação social, que dão voz a estas associações de solidariedade e foi neste contexto que Portugal respondeu ao apelo da Liga quando dissemos não ter equipamentos de proteção, para os técnicos e os profissionais de saúde que servem os utentes que nos procuram, mas também para estes que precisavam de ser protegidos por nós. Acreditamos por tudo isto e pelos 30 anos da Liga, que melhores tempos virão e queremos acreditar que embora esta pandemia já nos tenha causado tantos danos e perdas irreparáveis, os desafios com que nos deparamos serão transformados em oportunidades, fazendo com que mais pessoas se liguem à causa e nos apoiem com o que puderem e não lhes fizer falta e a isto chama-se solidariedade.

HN- Sobre o contributo da associação, a LPCS foi distinguida em setembro com o Prémio Nacional de Psicologia. Como vê este reconhecimento?

MES- Os prémios são reconhecimentos e estes fazem sempre com que nos sintamos responsáveis para continuar a fazer mais e melhor por quem já vive sem defesas. Este reconhecimento é merecido pelo trabalho desenvolvido ao longo destes últimos anos de dedicação de todos os psicólogos, os de ontem e os de hoje e é um incentivo para continuar a prática das ações e gestos solidários tão importantes para a missão que nos propusemos há trinta anos. De facto, a psicologia faz parte das equipas multidisciplinares que a LPCS tem desde sempre e exemplo disso é o orgulho que sentimos, quando vemos surgir outras linhas de apoio, com profissionais e técnicos de saúde mental à semelhança da Linha SOS SIDA que implementámos em 1991.

HN- Em outubro, data em que a associação assinalava o trigésimo aniversário, lançaram uma campanha com a mensagem “Na SIDA Existe Vida”. Hoje em dia as pessoas podem olhar esta doença como uma condição em que é possível ter uma esperança de vida normal?

MES- Em outubro iniciámos a celebração dos 30 anos que se prolongará por este ano. Começámos por lançar a nova identidade visual e sem romper com o passado e a missão a que nos propomos desde o ano da fundação da Liga, com o objetivo de nos aproximarmos dos mais novos, que não viveram a pandemia do VIH. A desvalorização de muitos deste jovens com quem nos cruzamos, preocupa-nos na medida em que face a esta infeção e outras IST, os mesmos refiram que pela mesma já ter um tratamento não há necessidade de se protegerem e por isso a aposta na promoção e educação para a saúde e a literacia em saúde dos jovens, que frequentam o ensino secundário e universitário ser uma prioridade para a Liga.

Ao mesmo tempo, lançámos a campanha “Na SIDA Existe Vida” quisemos mostrar que existe vida para além da infeção. E a Liga é prova desta vida. Quisemos mostrar que não faz sentido o estigma e a discriminação que existe associado ao VIH porque hoje uma mulher com VIH pode ter um filho, porque hoje um casal serodiscordante com carga viral infetável pode ser intransmissível (I=I), desde que tenha uma boa adesão terapêutica, porque hoje uma mulher ou um homem seropositivos para o VIH podem ter uma carreira profissional de êxito. Que o tratamento como PrEP e a PPE também são prevenção, tal como o uso consistente do preservativo. Podemos por isso afirmar que sim, Na SIDA Existe Vida.

HN- Quais os aspetos que poderiam ser melhorados ao nível da qualidade de vida dos doentes?

MES- É fundamental informar e dialogar com os doentes Este é outro dos papeis da Liga, quando descodifica a linguagem dos médicos que por vezes nem sempre é acessível para os utentes que a ouvem. É fundamental que estes doentes tenham acesso a tratamentos adequados e atempados e com equidade na sua distribuição, para que tenham direito à saúde efetiva. Sabemos que cada caso é um caso. Sabemos que uns podem continuar a ter uma toma diária e outros continuarão a ter mais do que um comprimido para tomar, mas é importante que seja explicado às pessoas o porquê, e porque a adesão terapêutica é tao importante. Em suma, não podemos cruzar os braços, nem deixar que a COVID-19 coloque em segundo plano todas as outras infeções e doenças e temos que continuar a apostar no rastreio para diagnosticar precocemente, na promoção e educação para a saúde e prevenção da doença, na literacia em saúde, na adesão terapêutica e na supressão da carga viral, combater os diagnósticos tardios de forma a que as pessoas não cheguem aos hospitais no estadio de SIDA e ou com outras comorbilidades associadas ao VIH e a discriminação e o estigma associados às pessoas que vivem com VIH Só assim atingiremos o objectivo 95 – 95 – 95 proposto pela UNAIDS em 2030.

Entrevista por Vaishaly Camões

1 Comment

  1. J. Albano Figueiras

    Sou seropositivo ha quase 30 anos e concordo em tudo quanto diz a Maria Eugénia, alguém que admiro muito e conheço bem.
    No entanto perguntarem a alguns do positivos para a Covid se sentiram este estigma, se vêem de outra forma o estigma dos seropositivos do VIH, a realidade é que acham que não porque “o virus” é pior. Porém não é verdade. Ambos matam e o sars-cov-2 nem tem, para os que o têm a possibilidade de se tratarem com a terapia anti-vih e poderão de resto ter sequelas, elas próprias passíveis de estigmatização, como as afeccoes neurológicas.
    A verdadeira doença é social e é comum. Em ambas as doenças se culpabiliza, quem infecta e quem está infectado. Enquanto doentes e a sociedade como um todo se continuar a tratar-se assim, haverá sempre outra pandemia, a do estigma.
    É que agora não se pode acusar os seropositivos VIH de maldade, incúria ou inconsciência quando vemos a medicina de catástrofe surgir em todo o lado por todas essas razões e outras mais e por “culpa” de uma gigantesca parte dos portugueses. Então e agora? Quem pode lançar a primeira pedra? Quem é “digno” de ser objecto de estigma?
    Há um processo de cura que a sociedade se deve e nos deve há quase 40 anos.
    Pois que nasça essa consciência.

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

UC integra estudo mundial sobre aumento da obesidade

Mais de um bilião de pessoas vivem atualmente com obesidade no mundo, segundo um estudo internacional em que participaram investigadores da Universidade de Coimbra (UC), divulgou a instituição.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights