Líder do Bloco de Esquerda alerta para surtos em lares e diz que “ninguém é descartável”

18 de Janeiro 2021

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) alertou esta segunda-feira que os surtos em lares são “uma das situações mais complicadas” do país na pandemia de Covid-19, sobretudo no Alentejo, e argumentou que “ninguém é descartável”.

“Uma das situações mais complicadas no pais, e aqui no Alentejo seguramente das mais complicadas, é com os lares”, afirmou hoje Catarina Martins, em Évora.

Após uma reunião com a direção do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Alentejo Central, a dirigente do BE afirmou que “ao longo de anos”, houve “um desinvestimento nas condições das pessoas mais velhas”.

“Não é compreensível a quantidade de lares que não têm profissionais de Saúde, que não têm médicos por exemplo”, e, neste momento de pandemia, é visível “como esse problema é tão grave e se agudiza tanto”, criticou.

Para Catarina Martins, “matérias fundamentais como garantir a segurança a quem tem de continuar a funcionar, a trabalhar, aos profissionais que lá estão como nos lares, são fundamentais”.

“Ninguém é descartável neste país e, se esta doença é grave para todos, sabemos que é grave para as pessoas mais velhas, particularmente”, alertou.

Segundo a coordenadora do BE, “toda a gente tem de ser respeitada” e tem de ter “acesso aos melhores cuidados de saúde e toda a gente deve ter proteção na sua saúde”.

“Que ninguém encolha os ombros quando vê surtos em lares ou quando vê as pessoas mais velhas a serem mais afetadas. Não nos podemos permitir isso”, salientou.

Apesar do confinamento geral em curso, “em setores fundamentais como os lares, que não fecham, continuam a ter pessoas, é fundamental garantir a segurança dos utentes e garantir as condições de trabalho de quem lá trabalha, para que não haja surtos, para travar os surtos e para haver apoios de Saúde”.

Nesta deslocação a Évora, a líder do BE aproveitou para deixar “dois apelos muito veementes”, o primeiro deles para que toda a população siga “as regras” das autoridades de Saúde.

“Não podemos facilitar, o país está mesmo a viver um momento muito complicado”, avisou, apelando ainda para que “haja um reforço efetivo dos profissionais de Saúde”, incluindo “dos cuidados primários”.

“Reforçar os cuidados primários é também proteger os hospitais e o que chega aos hospitais”, destacou.

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 2.031.048 mortos resultantes de mais de 94,9 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 9.028 pessoas dos 556.503 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

Quinze ULS terão equipas dedicadas na área da Saúde Mental

Os primeiros Centros de Responsabilidade Integrados dedicados à Saúde Mental vão arrancar em 15 Unidades Locais de Saúde, numa primeira fase em projeto-piloto e durante 10 meses, segundo uma portaria publicada em Diário da República.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights