Scanners de temperatura são pouco eficazes na deteção da Covid-19

22 de Janeiro 2021

Fazer com que as pessoas fiquem paradas diante de um scanner para medir a temperatura, pode resultar num grande número de falsos negativos, permitindo que indivíduos com Covid-19 passem pelos aeroportos e hospitais sem serem detetados.

Especialistas em fisiologia sugerem, em vez disso, que a leitura da temperatura da ponta do dedo e do olho de uma pessoa daria um resultado significativamente melhor e mais fiável e ajudaria a identificar as pessoas com febre.

O estudo, coliderado por um fisiologista e um perito em regulação da temperatura, o Prof. Mike Tipton, foi publicado na Revista “Experimental Physiology”.

“Se os scanners não derem uma leitura correta, corremos o risco de excluir erradamente as pessoas de lugares onde querem ou precisam de ir, e também corremos o risco de permitir que pessoas com o vírus espalhem uma infeção não detetada”, referiu o Prof. Mike Tipton, da Universidade de Portsmouth.

O estudo assinala quatro fatores-chave: a temperatura, por si só, não é um bom indicador da doença: nem todas as pessoas infetadas têm febre, e noutras isso só acontece já depois da admissão no hospital; a medição da temperatura da pele não proporciona uma estimativa correta da temperatura corporal central; a medição direta da temperatura corporal central é impraticável; uma temperatura corporal elevada não significa, necessariamente, que a pessoa tenha Covid-19; fazer duas medições de temperatura, uma do dedo e outra do olho, pode ser um indicador mais fiável do aumento da temperatura corporal central induzido pela febre.

De acordo com o Prof. Tipton “utilizar um scanner de temperatura para obter uma única medição superficial – geralmente, da testa – é um método pouco fiável para detetar a febre associada à Covid-19. Demasiados fatores tornam a medição da temperatura da pele um pobre substituto da temperatura corporal central, pois a temperatura da pele pode mudar, independentemente da temperatura corporal central, por muitas razões. Mesmo que tal medida única refletisse fielmente a temperatura corporal central, há outras coisas, como o exercício físico, que a podem fazer aumentar”.

“A pandemia teve um efeito global devastador em todos os aspetos das nossas vidas e, infelizmente, é pouco provável que esta seja a última que enfrentamos. É fundamental desenvolvermos um método de medição, preciso e rápido, para verificar se um indivíduo tem febre”.

O sintoma mais comum de 55.924 casos confirmados de Covid-19 notificados na China até 22 de fevereiro de 2020 foi a febre, seguida de outros sintomas, incluindo tosse seca, expetoração, falta de ar, dores musculares ou nas articulações, dor de garganta, dores de cabeça, náuseas ou vómitos, congestão nasal e diarreia.

No entanto, os investigadores dizem que uma proporção significativa (pelo menos 11%) das pessoas com Covid-19 não tem febre  e, embora a maioria dos casos positivos tenha temperaturas elevadas depois da admissão no hospital, já estavam infetados antes da temperatura subir.

“Pensamos poder melhorar a identificação da presença de febre usando o mesmo kit, mas olhando para a diferença entre a temperatura dos olhos e dos dedos; não é perfeito, mas é potencialmente mais fiável”, referiu o investigador.

Informação bibliográfica completa:

Mekjavic and Tipton (2020). Myths and methodologies: Degrees of freedom – limitations of infrared thermographic screening for Covid‐19 and other infections. https://doi.org/10.1113/EP089260

NR/AG/HN/Adelaide Oliveira

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights