Alemanha espera aprovação de vacina da Astrazeneca “com restrições”

29 de Janeiro 2021

A Alemanha espera que a vacina produzida pela AstraZeneca seja esta sexta-feira aprovada pela União Europeia, mas “com restrições”, disse o ministro alemão da Saúde.

“Não prevemos uma aprovação sem restrições”, disse Jens Spahn em conferência de imprensa hoje realizada, insistindo em que “não há dados suficientes” para que a autorização seja dada por completo, especialmente no que diz respeito à sua eficácia em pessoas com mais de 65 anos.

O ministro disse referir-se as conversações em curso a nível europeu.

As restrições podem ser uma autorização global mas com menção das autoridades europeias expressando reservas à utilização em pessoas mais velhas ou uma autorização do produto com indicação de se destinar apenas a pessoas com menos de 65 anos de idade.

No entanto, o grupo farmacêutico defendeu, na quinta-feira, a eficácia da sua vacina em pessoas com mais de 65 anos, contrariando a recomendação de especialistas alemães para ser apenas usada na faixa etária dos 18 aos 64.

“As últimas análises (…) apoiam a hipótese de uma eficácia da vacina no grupo de maiores de 65 anos”, declarou um porta-voz do grupo farmacêutico anglo-sueco.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, cujo país aprovou o uso da vacina, inclusive para os idosos, sublinhou que a autoridade britânica para os produtos de saúde considerou a vacina “muito boa e eficaz” e que oferece “um elevado grau de proteção”.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, já disse hoje que a União Europeia quer publicar até final do dia o contrato de pré-encomenda de vacinas anti-Covid firmado com o laboratório britânico AstraZeneca, sob pressão após anunciar grandes atrasos nas entregas, anunciou

“Queremos publicá-lo [o contrato] hoje, estamos a discutir com a empresa que partes devem ser divulgadas” por motivos de confidencialidade, disse Von der Leyen à rádio alemã Deutschlandfunk.

A entidade reguladora europeia também deverá dar hoje o seu parecer sobre a autorização da utilização da vacina AstraZeneca na União Europeia.

A UE enfrenta uma quebra no fornecimento de vacinas para a Covid-19, depois de ter assinado contratos para a compra antecipada de vacinas, num total de 2,3 mil milhões de doses.

A AstraZeneca/Oxford anunciou que pretende entregar doses consideravelmente menores, nas próximas semanas, do que acordado com a UE, alegando problemas de produção, o que Bruxelas considera ser uma possível violação do contrato.

Em 15 de janeiro, a Pfizer tinha também anunciado uma redução temporária na entrega de doses de vacina, mas com o objetivo de aumentar a capacidade de produção.

Face a esta situação, o presidente do Conselho Europeu defendeu, na quinta-feira, que a União Europeia deve explorar todas as vias legais à disposição para garantir que as empresas farmacêuticas produzem e fornecem as vacinas contra a Covid-19 previstas nos contratos firmados com Bruxelas.

A posição de Charles Michel foi expressa numa carta de resposta a quatro chefes de Estado e de Governo da EU na qual aponta que “as explicações fornecidas até ao momento por algumas empresas farmacêuticas” sobre atrasos na produção e distribuição de vacinas não são convincentes nem tranquilizadoras, advoga uma demonstração de força por parte da União.

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 2.176.000 mortos resultantes de mais de 100 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

Quinze ULS terão equipas dedicadas na área da Saúde Mental

Os primeiros Centros de Responsabilidade Integrados dedicados à Saúde Mental vão arrancar em 15 Unidades Locais de Saúde, numa primeira fase em projeto-piloto e durante 10 meses, segundo uma portaria publicada em Diário da República.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights