Letónia suspende administração da vacina da AstraZeneca

16 de Março 2021

A Letónia anunciou esta terça-feira a suspensão temporária da administração da vacina AstraZeneca contra a Covid-19, a mais administrada neste país báltico, secundando decisões semelhantes de outros países europeus, depois de relatos de tromboses em pessoas vacinadas.

As cerca de 10.000 doses dessa vacina ainda a distribuir serão armazenadas, as já distribuídas serão destruídas e a vacinação com este medicamento será suspensa, afirmou o diretor da Agência Estatal de Medicamentos da Letónia, Svens Henkhuzens, em conferência de imprensa.

Até ao momento, a AstraZeneca entregou 48 mil doses, o que a torna a mais utilizada ou a ser utilizada no país, onde já chegaram ou estão para chegar 117.765 doses de vacinas anti-Covid-19.

A suspensão como medida de precaução foi anunciada em conjunto por vários órgãos responsáveis pela segurança de vacinas, medicamentos e cuidados de saúde: o Centro da Letónia para Prevenção e Controlo de Doenças, o Conselho Nacional de Imunização, a Agência Estatal do Medicamento e a Inspeção de Saúde.

No comunicado conjunto, os organismos afirmaram não haver casos suspeitos de trombose no país, como os detetados noutros países da União Europeia (UE), e acrescentaram que não há provas da relação causa-efeito entre a vacina e esses casos.

A suspensão foi decida na sequência de um escândalo na Letónia ligado às vacinas, já que o Governo desistiu de aceitar uma grande remessa de doses da Pfizer BioNTech, oferecidas pelo programa de compra conjunta da EU, e optou pelas da AstraZeneca.

Esta decisão esteve na origem da demissão do ex-ministro da Saúde da Letónia, Ilze Vinkele.

Investigações jornalísticas no país báltico sugerem que Henkhuzens e a agência que dirige foram responsáveis por enganar o Governo ao convencer as autoridades de que deveriam rejeitar o envio de vacinas da Pfizer BioNTech, já que exigem condições especiais de armazenamento e transporte.

O site de investigação Re:Baltica avançou ter encontrado afirmações enganosas em relatórios preparados no ano passado por Henkhuzens referentes a uma avaliação da vacina Pfizer BioNTech destinada às autoridades.

Já hoje, a Suécia tinha anunciado a suspensão da administração da vacina AstraZeneca até que a Agência Europeia de Medicamentos conclua a investigação sobre possíveis efeitos secundários, enquanto a Grécia referiu que vai manter o uso do medicamento.

Quase duas dezenas de países europeus – entre os quais Portugal, Espanha, França, Itália, Irlanda, Países Baixos, Alemanha, Islândia, Noruega ou Bulgária – e vários outros noutros continentes suspenderam o uso da vacina da AstraZeneca contra a Covid-19 por precaução após relatos de coágulos sanguíneos em pessoas vacinadas.

O grupo farmacêutico anglo-sueco garantiu não haver “qualquer prova da existência de um risco aumentado” de se verificarem coágulos sanguíneos causados pela sua vacina.

O comité de especialistas da Organização Mundial da Saúde para a segurança de vacinas reúne-se hoje para discutir esta vacina.

Lusa/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada

Os trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada (PPP), garante Camilo Ferreira, coordenador da Comissão de Trabalhadores, que recordou, em conversa com o HealthNews, a exaustão dos profissionais naquele modelo de gestão e, como Entidade Pública Empresarial (EPE), a melhoria das condições de trabalho e do desempenho.

Menopausa: Uma doença ou um processo natural de envelhecimento?

A menopausa foi o “elefante na sala” que a Médis trouxe hoje ao Tejo Edifício Ageas Tejo. O tema foi abordado numa conversa informal que juntou diversos especialistas. No debate, os participantes frisaram que a menopausa não é uma doença, mas sim um “ciclo de vida”. 

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights