Número de infetados no Irão atinge valor máximo dos últimos 4 meses

5 de Abril 2021

O número de infeções por Covid-19 atingiu o nível mais alto dos últimos quatro meses no Irão, estando a capital do país em alerta sanitário máximo, anunciou esta segunda-feira o Ministério da Saúde iraniano.

Nas últimas 24 horas, foram identificados 13.890 novos casos confirmados em centros de testes de todo o país, disse a porta-voz do ministério Sima Sadat Lari.

Este é o maior número diário de casos de infeção registado desde 04 de dezembro, quando foram identificados 13.922 infetados em 24 horas, e aproxima-se do pico de 14.051 infeções num só dia alcançado em 28 de novembro.

O número de mortos pelo coronavírus SARS-COV-2 aumentou para 172, o valor mais alto desde 23 de dezembro.

Os contágios dispararam durante os feriados do Ano Novo persa – o Nowruz – celebrado em 21 de março, sendo que as duas semanas seguintes costumam ser aproveitadas para viajar pelo país e fazer reuniões familiares.

A cidade de Teerão passou a ser classificada como “vermelha”, ou seja, está no nível mais alto da escala nacional de risco epidemiológico, pelo que só estão autorizadas as atividades económicas essenciais, como comprar comida ou ir ao hospital.

A pandemia do novo coronavírus superou os 131 milhões de casos de infeção a nível mundial, com mais de 500 mil novos contágios nas últimas 24 horas, indicou hoje um balanço da agência de notícias francesa AFP.

No total, e desde que o novo coronavírus foi identificado na China, em dezembro de 2019, pelo menos 131.213.930 casos de infeção foram oficialmente diagnosticados em todo o mundo.

Desde o início da crise sanitária, a doença Covid-19 já provocou pelo menos 2.853.908 vítimas mortais no mundo, sendo que, nas últimas 24 horas, registaram-se mais 6.657 óbitos e 519.076 novos casos da doença.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Álcool mata 2,6 milhões de pessoas por ano

O álcool mata 2,6 milhões de pessoas por ano, alertou hoje a Organização Mundial da Saúde (OMS), considerando que este número permanece “inaceitavelmente elevado”, apesar da descida ligeira que tem registado nos últimos anos.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights