Cirurgia Bariátrica devolve autoestima e qualidade de vida

22 de Maio 2021

Mais de 300 doentes obesos são operados, em média, anualmente no Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central (CHULC), números que escondem histórias como a de Luís e Sílvia que esta semana realizaram com sucesso a tão desejada cirurgia bariátrica.

Sílvia Pestana, 42 anos, e Luís Costa, 61 anos, não se conheciam mas o destino juntou-os no Hospital Curry Cabral, em Lisboa.

À hora do almoço, de quarta-feira, chegaram à Unidade Funcional de Tratamento Cirúrgico da Obesidade do CHULC, onde a equipa médica os esperava para serem operados.

Antes de ser internada, Sílvia Pestana contou à Lusa que o processo começou em 2017, quando, durante uma sessão de fisioterapia, lhe falaram da cirurgia bariátrica.

“Já tinha feito várias vezes dietas, davam resultado, mas não era definitivo, então optei por me inscrever nas consultas de endocrinologia”, contou Sílvia, acompanhada pelo marido.

À consulta de endocrinologia, seguiu-se a do nutricionista e da psicóloga. “Pediram-me para emagrecer, emagreci, o processo foi andando até que estive um ano à espera de fazer um endoscopia com anestesia (…) porque não havia anestesistas, até que resolvi no verão passado fazê-la no particular”.

A cirurgia deveria ter acontecido até janeiro, “no máximo”, mas a pandemia de covid-19 acabou por atrasá-la.

Com 1,5 metros de altura, 108 quilos de peso e um índice de massa corporal (IMC) de 43, já considerado obesidade mórbida, Sílvia disse não recear fazer a cirurgia, confessando que “era uma coisa que queria muito”: “Tenho uma filha de 12 anos e quero ter mais saúde para a criar”.

Também Luís Costa, com 120 quilos e um IMC de 48, aceitou fazer a intervenção cirúrgica porque sonha em ter mais tempo de qualidade com a família.

Foi por intermédio da médica de família que Luís Costa chegou ao hospital Curry Cabral. O peso que têm a mais foi ganhando ao longo da vida e tornou-se um obstáculo no seu dia-a-dia.

“O problema de ser mais forte é querer movimentar-me e ter mais dificuldades, é querer brincar com o meu neto e ter dificuldades, e o cansaço”, além das doenças como a diabetes, colesterol elevado e apneia de sono, desabou à Lusa, nas vésperas do Dia Nacional de Luta Contra a Obesidade, assinalado hoje.

Quando lhe propuseram realizar a cirurgia bariátrica, disse logo que sim. “Foi pena não ter sido mais cedo”, comentou Luís, que, ao contrário de Sílvia, não conseguiu perder os quilos desejáveis antes da operação.

À Lusa, o nutricionista Lénio Andrade explicou a importância de perder peso antes da operação: “Perdendo 5 a 10% do seu peso total, estes doentes melhoram drasticamente o seu risco anestésico e cirúrgico”.

Lénio Andrade acompanha os doentes antes e depois da cirurgia e salientou a importância do pós-operatório, em que os doentes têm uma capacidade gástrica mais reduzida.

Como só conseguem comer pequenas porções de alimentos é preciso ajustar a composição nutricional da alimentação para que não venham a desenvolver no futuro défices nutricionais.

Antes de entrar para o bloco operatório, a cirurgiã bariátrica Leonor Manaças explicou que Sílvia seria sujeita a um bypass gástrico de anastomose única, “uma técnica cirúrgica muito segura, com grande eficácia, com resultados de cerca de 80% na perda de excesso de peso”.

Já Luís Costa sofre de uma patologia na mucosa gástrica e, por isso, não pode fazer um bypass. No seu caso, foi sujeito a uma gastrectomia vertical calibrada, que consiste em retirar uma parte do estômago.

Leonor Manaças explicou que quando estes doentes recorrem ao centro hospitalar para um tratamento cirúrgico da obesidade é preciso estudá-los como “um só”, conhecer a sua história da obesidade e as doenças que o acompanham.

“É preciso conhecer o doente na sua história de perda de peso, de reganho de peso, a sua profissão, o seu ambiente familiar e principalmente a gravidade da sua doença”, salientou.

Ao operá-los, disse: “não estamos a tratar só o excesso de peso, mas também a diabetes, a hipertensão, a apneia do sono, todas as doenças que acompanham a obesidade mórbida e que, por si só, são tão incapacitantes como o excesso de peso”.

Os resultados das intervenções, explicou Leonor Manaças, são “uma restrição muito severa da sua capacidade gástrica, portanto, vão comer pouco e com o pouco que comem vão sentir-se saciados”.

Uma das primeiras sensações que têm após a operação é não lhes apetecer comer e às vezes nem sequer ver ou cheirar a comida, “armas úteis para continuar a perder peso”.

No futuro, pode ganhar-se algum peso, mas Lénio Andrade garante que a cirurgia bariátrica e metabólica é sempre uma mais-valia: “Mesmo que aconteça um reganho de peso, muitas vezes o que a pessoa ganha não é o suficiente para perder o sucesso global do contexto cirúrgico”.

Para a enfermeira Sofia França, estes doentes são “muito especiais”. Com a autoestima fragilizada, o apoio da família torna-se “importantíssimo” para o “sucesso terapêutico daquilo que está a ser feito”.

A enfermeira contou que habitualmente os pacientes chegam nervosos, mas “acabam sempre por se ir tranquilizando” quando percebem que podem contar com “bastante acompanhamento da área da enfermagem”.

Já a enfermeira chefe Teresa Branco sublinhou a importância do acompanhamento multidisciplinar no período pré-operatório e pós-alta para “garantir a otimização e a manutenção dos resultados decorrentes do procedimento cirúrgico”.

Nesse sentido, os pacientes são contactados telefonicamente após a alta – 48 horas, 73 horas e no primeiro mês – e têm consultas anuais presenciais ao longo de três anos.

Teresa Branco garantiu que “as complicações da cirurgia bariátrica são mínimas” devolvem ao doente “a autoestima e o interesse pela vida”.

A Lusa contactou na sexta-feira a médica Leonor Manaças que disse que as cirurgias correram bem, demoraram 90 minutos e que os doentes já estão em casa.

Luís e Sílvia esperaram cerca de seis meses para serem operados, mas já houve listas de espera de dois anos. Leonor Manaças disse contudo que esta resposta vai melhorar ainda mais com a abertura do Centro de Responsabilidade Integrada do Tratamento Cirúrgico da Obesidade, a 01 de junho, que substituirá a atual unidade.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Álcool mata 2,6 milhões de pessoas por ano

O álcool mata 2,6 milhões de pessoas por ano, alertou hoje a Organização Mundial da Saúde (OMS), considerando que este número permanece “inaceitavelmente elevado”, apesar da descida ligeira que tem registado nos últimos anos.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights