Índia com 48.698 casos e 1.183 mortes

26 de Junho 2021

A Índia registou 48.698 casos de covid-19 nas últimas 24 horas e 1.183 mortes provocadas pela doença, informaram hoje as autoridades indianas.

O país viveu recentemente uma devastadora segunda vaga da pandemia, que atingiu o pico em meados de maio, com mais de 400 mil novos casos por dia, mas a curva de contágio tem vindo a descer nas últimas semanas.

A taxa de positividade dos testes de diagnóstico do novo coronavírus permanece abaixo dos 5% há 19 dias consecutivos, rondando atualmente os 2,79%, de acordo com os dados divulgados pelo Ministério da Saúde indiano.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera que a pandemia está sob controlo quando a taxa de positividade de um país é inferior a 5%.

O número de pessoas que recuperaram da doença nas últimas 24 horas (64.818) ultrapassou o número de novos casos pelo 44.º dia consecutivo, informou ainda o Ministério, em comunicado.

O total de casos ativos também continua a descer, rondando atualmente 595 mil, o valor mais baixo dos últimos 86 dias, segundo o Ministério da Saúde indiano.

Com mais de 30,1 milhões de casos desde o início da pandemia, a Índia é o segundo país com mais infeções a nível mundial, depois dos Estados Unidos, de acordo com dados da Universidade norte-americana Johns Hopkins.

O país contabilizou até agora 394.493 mortes provocadas pelo novo coronavírus, registando o terceiro maior número de óbitos no mundo devido à covid-19, depois dos EUA e Brasil.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 3.903.064 vítimas em todo o mundo, resultantes de mais de 179.931.620 casos de infeção diagnosticados oficialmente, segundo o balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença respiratória é provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights