Ordem dos Médicos defende que testes comparticipados devem incluir pessoas vacinadas

1 de Julho 2021

A Ordem dos Médicos saudou a comparticipação de testes rápidos de antigénio à Covid-19 que entra esta quinta-feira em vigor e defendeu que a medida deve incluir quem já tem esquema vacinal completo.

“Uma pessoa vacinada pode, ainda que raramente, ser infetada e, muito raramente, transmitir o vírus a outra pessoa”, recorda o bastonário da Ordem dos Médicos, sublinhando a importância de incluir os utentes com certificado de vacinação.

“Testar é sempre uma mais-valia no controle da pandemia”, reforça Miguel Guimarães.

Em comunicado, o bastonário considera que o aumento da testagem é um fator crítico para travar as cadeias de contágio na pandemia e recorda que a Ordem dos Médicos tem sublinhado a importância de aumentar o acesso aos testes, frisando que tal só é possível de forma equitativa se não houver encargo extra para os cidadãos.

“Por isso, congratulamo-nos com esta medida do Governo e pedimos que o caminho de combate à pandemia seja cada vez mais feito fora dos hospitais e dos centros de saúde, isto é, que a antecipação seja a nossa estratégia principal, a par com a vacinação, pois essa é a única forma de conseguirmos dar uma melhor resposta aos doentes, sejam covid ou não covid”, afirma o bastonário.

Miguel Guimarães considera ainda que a vacinação é “um dossier crítico” e que “é indiscutível a sua segurança e eficácia” e insiste: “as vacinas mudaram o curso desta pandemia”.

No entanto, sublinha, “é fundamental que chegue aos cidadãos a mensagem de que, mesmo vacinados, não é ainda o momento de aligeirar as outras medidas, como a máscara e o distanciamento”.

O regime excecional que entra hoje em vigor fixa o valor de 10 euros como preço máximo para efeitos de comparticipação nos testes rápidos à Covid-19 e define um limite de quatro testes por mês e por utente. Estende-se até final do mês e não se aplica aos utentes que têm o certificado de vacinação (que ateste o esquema vacinal completo) ou o certificado de recuperação, nem aos menores de 12 anos.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guilherme Veríssimo: “A saúde começa pela boca”

A evidência científica comprova que a má saúde oral está diretamente relacionada com 23 doenças sistémicas, entre elas a diabetes e as doenças cardiovasculares, e cinco tipos de cancro. Esta realidade pode surpreender a maior parte da população, mas não os dentistas. Em entrevista ao nosso jornal, o Médico Dentista, Guilherme Veríssimo, frisa que a “saúde oral não se resume a uma questão estética”, deixando alguns alertas para a importância da correta higienização dos dentes. O médico dentista aproveitou ainda para desmistificar alguns dos principais mitos associados à doença peridontal.

INEM esclarece que chamadas via 112 são descentralizadas

O INEM esclareceu que as chamadas que dão entrada via 112 para o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) são descentralizadas, avançando que hoje de manhã estavam ao serviço 48 técnicos, 24 dos quais em atendimento.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights