Áustria com recorde de infeções proíbe acesso a não vacinados a cafés e eventos

6 de Novembro 2021

A Áustria registou nas últimas 24 horas um total de 9.943 novas infeções de Covid-19, um novo máximo desde o início da pandemia, tendo as autoridades decidido proibir os não vacinados de ir a cafés, restaurantes ou cabeleireiros.

Esse número, divulgado pelo Ministério da Saúde, já representa um aumento de 388% em relação às novas infeções diárias registadas há apenas um mês.

O Governo anunciou na sexta-feira que a partir de segunda-feira os não vacinados ficarão proibidos de aceder a cafés, restaurantes e eventos de lazer, culturais e desportivos, bem como a determinados serviços, como cabeleireiros ou massagens.

A Áustria, com 63%, tem a menor percentagem da população totalmente imunizada contra a doença na Europa Ocidental.

Apesar de a pressão hospitalar estar a aumentar e de as camas hospitalares estarem no nível mais alto desde maio, o número de mortes nas últimas 24 horas, 31, é quatro vezes menor do que as mortes diárias de há um ano, quando o nível de contágio era semelhante.

“A ocupação das camas de cuidados intensivos está a aumentar muito mais rápido do que esperávamos”, disse o ministro das Relações Exteriores, Alexander Schallenberg, que anunciou novas restrições indicando que apenas os vacinados e aqueles que superaram a doença podem ter acesso aos serviços de saúde, lazer e estética.

Até agora, os não vacinados podem utilizar estes serviços e entrar nos espaços de lazer com um teste negativo, que na Áustria são gratuitos.

O Governo austríaco planeou um período de transição de quatro semanas, durante o qual a primeira dose combinada com um teste de PCR será suficiente para obter acesso a esses espaços de lazer e serviços.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Os enfermeiros (também) são cientistas

Lara Cunha: Enfermeira Especialista em Enfermagem Médico-cirúrgica; Research Fellow na Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra

49% das deslocações forçadas no mundo ocorrem em África

Conflitos, alterações climáticas, pobreza extrema e insegurança alimentar fazem disparar deslocações forçadas no continente africano e irão obrigar mais de 65 milhões de pessoas a fugir das suas casas até ao final de 2024. Subfinanciamento surge como principal ameaça à ajuda humanitária.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights