Dinamarca vai reimpor passe sanitário dois meses após tê-lo suprimido

9 de Novembro 2021

A Dinamarca, após quase dois meses sem restrições de combate à pandemia de Covid-19, vai reimpor a obrigatoriedade de apresentação de passe sanitário, devido ao forte aumento de novos casos da doença, anunciou esta segunda-feira a primeira-ministra.

“A Comissão sobre as Epidemias recomendou ao Governo que classifique a Covid-19 como uma ‘doença ameaçadora para a sociedade’ e reimponha o passe sanitário. O Governo vai seguir esta recomendação”, indicou a chefe do executivo dinamarquês, Mette Frederiksen, em conferência de imprensa.

No final da semana passada, as autoridades da saúde alertaram para o risco de “sobrecarga” dos hospitais do país por causa do “risco de Covid-19, de gripe e de outras doenças infeciosas”.

“As autoridades da saúde esperavam que mais pessoas fossem infetadas [com Covid-19] e hospitalizadas, mas as coisas aconteceram mais depressa que o previsto”, disse Frederiksen.

Hoje, pelo quinto dia consecutivo, mais de 2.000 novos casos foram registados no reino nórdico de 5,8 milhões de habitantes, onde 36 pessoas estão internadas nas unidades de cuidados intensivos.

O passe sanitário será reintroduzido nomeadamente nos bares e restaurantes e nas discotecas.

“Pode viver-se com o passe sanitário. Permite-vos ter o espírito tranquilo quando forem ao cinema ou a um concerto”, assegurou a primeira-ministra dinamarquesa.

A reimposição do passe tornará o quotidiano “mais difícil para aqueles de vós que não estão vacinados. É assim que penso que deverá ser”, afirmou.

Pioneira na imposição do passe sanitário, a partir da primavera deste ano, a Dinamarca suprimiu-o a 10 de setembro, numa altura em que o número de novos casos de Covid-19 era quatro vezes inferior aos números atuais.

No país, 85,9% dos maiores de 12 anos receberam as duas doses da vacina.

A Covid-19 causou pelo menos 5.047.055 mortes em todo o mundo, entre mais de 249,76 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse, com base em dados oficiais.

Em Portugal, morreram, desde março de 2020, 18.209 pessoas e foram contabilizados 1.098.125 casos de infeção, de acordo com dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é causada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

APDI dedica mês de maio à consciencialização para a Doença Inflamatória do Intestino (DII)

A APDI – Associação Portuguesa da Doença Inflamatória do Intestino, colite ulcerosa, doença de Crohn está a dedicar, mais uma vez, o mês de maio à consciencialização para a Doença Inflamatória do Intestino (DII) seguindo as indicações da EFFCA – Federação Europeia das  Associações de Doença de Crohn e Colite Ulcerosa que neste ano de 2024 escolheu como mote “A  DII não tem fronteiras”.

Nuno Jacinto: “A Medicina Geral e Familiar tem um papel central em todos os sistemas de saúde”

O presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) reforçou a importância da especialidade na promoção da saúde e prevenção da doença. No âmbito do Dia Mundial do Médico de Família, Nuno Jacinto falou ao HealthNews sobre os constragimentos que estes profissionais de saúde enfrentam e dos desafios que os cuidados de saúde primários enfrentam em Portugal.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights