Mais de 50 países querem baixar emissões de sistemas de saúde

9 de Novembro 2021

Mais de 50 países comprometeram-se a baixar as emissões poluentes dos seus sistemas de saúde numa iniciativa conjunta da Organização Mundial de Saúde (OMS)e da cimeira do clima das Nações Unidas (COP26).

Numa mensagem em vídeo dirigida à cimeira, o diretor geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, salientou que a crise climática está diretamente ligada à saúde mundial, num “planeta a aquecer, com mais fenómenos meteorológicos extremos, mais surtos de doenças infeciosas e mais ameaças ao ar, água e fontes de alimentação”.

O compromisso do Programa Sanitário da COP26 implica que os sistemas de saúde funcionem de forma “sustentável e com baixas emissões carbónicas”, num setor que contribui com “quatro a cinco por cento” das emissões de gases com efeito de estufa mundiais, salientou a secretária-adjunta para a Saúde dos Estados Unidos, Rachel Levine.

Na apresentação da iniciativa, que decorreu na COP26, em Glasgow, a responsável referiu que as emissões dos sistemas de saúde tenderão a aumentar na proporção da procura maior a que deverão ser sujeitos no futuro.

“Temos de liderar com as nossas ações”, defendeu, indicando que os países de vários continentes que aderiram ao programa representam “um terço das emissões totais do setor da saúde”.

Entre os 50 signatários, 14 comprometeram-se com datas concretas para terem sistemas de saúde de “emissões zero”, desde o Quénia e Malaui em 2030, à Espanha, São Tomé e Príncipe ou Iémen em 2050.

Estados Unidos, Reino Unido, Moçambique ou Cabo Verde estão também entre os países que aderiram à iniciativa.

A COP26 decorre seis anos após o Acordo de Paris, que estabeleceu como meta limitar o aumento da temperatura média global do planeta a entre 1,5 e 2 graus celsius acima dos valores da época pré-industrial.

Apesar dos compromissos assumidos, as concentrações de gases com efeito de estufa atingiram níveis recorde em 2020, mesmo com a desaceleração económica provocada pela pandemia de Covid-19, segundo a ONU, que estima que, ao atual ritmo de emissões, as temperaturas serão no final do século superiores em 2,7º C.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

APAH defende autonomia após ministra anunciar auditoria

 A Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (APAH) defendeu hoje autonomia para as administrações tomarem decisões, depois de a ministra da Saúde anunciar a criação de uma comissão para auditar os conselhos de administração dos hospitais.

Enfermeiros denunciam situação “explosiva” na Linha SNS 24

A Linha SNS 24 vive uma situação “explosiva” e, entre os enfermeiros que prestam serviço nesta linha de atendimento, já se fala em paralisação. A denúncia é feita pelo Sindicato dos Enfermeiros (SE), que teve conhecimento do caso por meio de uma exposição dos enfermeiros que ali prestam serviço, em tempo parcial.

Violência contra a pessoa idosa em debate

A Câmara Municipal de Ponta Delgada (São Miguel, Açores) promove na próxima sexta-feira, às 9h30, uma palestra subordinada ao tema da consciencialização da violência contra a pessoa idosa, isto na véspera do dia mundial que lhe é dedicado pela Organização das Nações Unidas.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights