Ilhas Maurícias detetam primeiros dois casos da variante Ómicron

11 de Dezembro 2021

Os dois primeiros casos da variante Ómicron da Covid-19 foram detetados nas Ilhas Maurícias, numa pessoa que regressava da África do Sul e noutra cujo cônjuge permaneceu neste país, anunciou o ministro da Saúde, na sexta-feira.

“Os dois pacientes positivos para a variante Ómicron estiveram assintomáticos durante o acompanhamento médico. Permaneceram sob vigilância e os exames realizados na quinta-feira foram negativos. Já voltaram para casa”, referiu o ministro da Saúde, Kailesh Jagutpal, durante uma conferência de imprensa, citado pela agência France-Presse (AFP).

As operações de rastreamento realizadas no grupo dessas duas pessoas revelaram 12 casos positivos com o gene S ausente, um sinal indicativo da variante Ómicron, afirmou o ministro.

O sequenciamento dessas 12 amostras está a decorrer para confirmar uma possível contaminação com a nova variante.

Um dos dois primeiros casos de Ómicron foi detetado num homem que viajou em 27 de novembro num voo proveniente da África do Sul, país onde a variante foi assinalada pela primeira vez em 25 de novembro, informa a AFP.

O segundo caso foi detetado numa moradora da cidade de Tamarin (sudoeste da ilha), após um teste PCR realizado numa clínica. O seu marido tinha regressado da África do Sul em 18 de novembro.

De acordo com os números da Organização Mundial da Saúde (OMS), foram identificados nas Ilhas Maurícias um total de 62.652 casos de Covid-19, registando-se 680 mortes.

Um total de 901.187 pessoas já receberam duas doses da vacina, o que corresponde a 73,5% da população da ilha, segundo dados do governo, citados pela AFP.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights