Tratamentos com anticorpos monoclonais são menos eficazes com a variante Ómicron

29 de Dezembro 2021

Os tratamentos com anticorpos monoclonais, até agora recomendados para doentes graves com Covid-19 ou em risco de hospitalização, são menos eficazes na neutralização da variante Ómicron do coronavírus, revelou a Organização Mundial da Saúde (OMS).

No novo relatório epidemiológico semanal, a OMS indica que os outros dois tratamentos recomendados para a Covid-19 – com corticosteroides e antagonistas dos recetores da interleucina-6 – continuam a ser eficazes nos doentes críticos.

A OMS insiste que dados preliminares em países afetados pela variante Ómicron, como Reino Unido, África do Sul ou Dinamarca, sugerem um risco menor de hospitalização do que com a variante Delta.

Os testes de diagnóstico, tanto os PCR quanto os testes antigénio, não parecem perder eficácia com a nova variante, reitera a OMS, que ainda não divulga informações sobre o comportamento das vacinas com a nova variante.

O documento também não apresenta estatísticas sobre a percentagem de casos da variante Ómicron em amostras de laboratório, que há duas semanas era de apenas 0,1% e na semana passada atingiu os 1,6%, embora se espere que a percentagem aumente rapidamente, pois em muitos países a nova variante já é dominante.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights