Falta de material leva hospitais privados do Brasil a suspender testagem de assintomáticos

13 de Janeiro 2022

A Rede D'Or, a maior rede privada de hospitais do Brasil, suspendeu na quarta-feira a realização de testes à Covid-19 de pacientes com poucos sintomas ou assintomáticos devido à falta de consumíveis para testagem.

A Rede D’Or apenas abrirá exceções a pacientes graves e internados, assim como a profissionais de saúde, segundo um comunicado oficial.

“Como é de conhecimento público, há uma limitação no mercado nacional de insumos para testes de PCR e antígeno para a covid-19 em função da explosão de casos. (…) Considerando o aumento da demanda e a limitação dos recursos, estamos priorizando a realização desses exames em pacientes com indicação clínica (…), pacientes internados e em profissionais de saúde, e limitando a realização dos exames eletivos ou em pacientes com bom estado geral”, diz o texto.

Além da rede hospitalar, também a Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed) recomendou aos laboratórios privados que “cessem” a testagem de pacientes com poucos sintomas ou assintomáticos devido ao risco iminente de falta de material para esse efeito.

Num comunicado a que imprensa local teve acesso, a Abramed sugeriu que sejam priorizados “os pacientes que tenham maior gravidade de sintomas, pacientes hospitalizados e cirúrgicos, pessoas em grupos de risco, trabalhadores assistenciais da área da saúde, e colaboradores de serviços essenciais”.

Já os assintomáticos e pacientes com pouco sintomas devem seguir o isolamento necessário para conter a disseminação do vírus, ainda segundo a associação.

O diretor do Comité Técnico de Análises Clínicas da Abramed, Alex Galoro, disse ontem à rede Globo que o risco de desabastecimento de testes assemelha-se ao que se viu no início da pandemia, quando os laboratórios não tinham capacidade de testagem perante uma procura inesperada.

Na maioria, os consumíveis utilizados nos testes à Covid-19 são produzidos no exterior, como na Europa, nos Estados Unidos da América ou na China, sendo que algumas dessas regiões enfrentam uma nova vaga da pandemia devido à variante Ómicron.

O Brasil, que tem registado um aumento acelerado de infeções nas últimas semanas, é, juntamente com os Estados Unidos e Índia, um dos países mais afetados pela pandemia, com mais de 620 mil mortes e 22,6 milhões de infetados.

O ministro da Saúde do Brasil, Marcelo Queiroga, afirmou que espera um crescimento significativo das infeções no país nas próximas semanas “semelhante ao de alguns países europeus”, como Espanha, Reino Unido e França.

Se essas previsões se concretizarem, o Brasil ultrapassará em muito o número máximo diário de infetados pelo coronavírus que registou em 23 de junho de 2021, com 115.228 casos positivos.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

José Albino é novamente presidente da Respira

Os associados da Respira – Associação Portuguesa de Pessoas com DPOC e outras Doenças Respiratórias Crónicas elegeram, no passado dia 6 de junho, a nova direção para o quadriénio 2024-2027. José Albino e Paula Duarte iniciam agora o mandato na qualidade de presidente e vice-presidente, respetivamente.

Dermatite atópica: Novos dados sobre upadacitinib

A AbbVie anuncia os resultados do LEVEL UP, um estudo de Fase 3b/4, aberto (mas com ocultação para o avaliador) e comparativo que avaliou a eficácia e a segurança de upadacitinib (com dose inicial de 15 mg uma vez por dia e ajuste da dose com base na resposta clínica) comparativamente a dupilumab (na dose aprovada) em adultos e adolescentes (com idade ≥ 12 anos) com dermatite atópica (DA) moderada a grave que tiveram uma resposta inadequada à terapêutica sistémica ou quando a utilização desse tipo de terapêuticas era desaconselhada.

Guilherme Veríssimo: “A saúde começa pela boca”

A evidência científica comprova que a má saúde oral está diretamente relacionada com 23 doenças sistémicas, entre elas a diabetes e as doenças cardiovasculares, e cinco tipos de cancro. Esta realidade pode surpreender a maior parte da população, mas não os dentistas. Em entrevista ao nosso jornal, o Médico Dentista, Guilherme Veríssimo, frisa que a “saúde oral não se resume a uma questão estética”, deixando alguns alertas para a importância da correta higienização dos dentes. O médico dentista aproveitou ainda para desmistificar alguns dos principais mitos associados à doença peridontal.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights