Spotify vai tomar medidas para combater desinformação sobre covid-19

31 de Janeiro 2022

O Spotify vai tomar medidas para combater a desinformação sobre a Covid-19 na sua plataforma, anunciou a gigante da música 'online' sueca, após um movimento de boicote lançado pela lenda do 'folk-rock' Neil Young.

O número um do mundo em ‘streaming’ de música, em particular, vai incluir um aviso em todos os seus conteúdos que falem sobre a Covid-19, em resposta às críticas recebidas pela emissão do programa “The Joe Rogan Experience”, apontado de promover a conspiração sobre a Covid-19.

“Estamos a trabalhar para agregar um aviso de conteúdo a qualquer episódio de um ‘podcast’ que inclua uma discussão sobre a Covid-19”, afirmou o presidente executivo da plataforma de música e de programas pré-gravados, Daniel Ek, em comunicado, no qual detalha os padrões de divulgação da empresa.

O aviso, salienta a Spotify, irá orientar os ouvintes para um “centro Covid-19, um recurso que fornece acesso fácil a informações atualizadas e orientadas por dados partilhados por cientistas, médicos, académicos e autoridades de saúde pública em todo o mundo, bem como ‘links’ para fontes confiáveis”.

A polémica em torno do Spotify centra-se no programa “The Joe Rogan Experience”, considerado como o ‘podcast’ mais popular dos Estados Unidos.

O programa, oferecido exclusivamente nesta plataforma depois de o Spotify ter assinado com Rogan por 100 milhões de dólares (89,6 milhões de euros, à taxa de câmbio atual), tem sido criticado por promover teorias da conspiração sobre o coronavírus e incentivar a não vacinação.

Uma carta assinada por 270 médicos e cientistas norte-americanos advertia há algumas semanas o Spotify de que estava a permitir a difusão de mensagens que afetavam a confiança pública na investigação científica e nas recomendações sanitárias.

“Tem havido muita conversação sobre informação relativa à Covid-19 no Spotify. Temos escutado as críticas e estamos a implementar mudanças para ajudar a combater a desinformação”, escreveu Ek no Twitter, reconhecendo que, apesar de ter regras para a produção de conteúdos, não foram “transparentes” para que pudessem ser conhecidas por todos.

Os últimos a criticar o Spotify foram o príncipe Harry de Inglaterra e a sua mulher, Meghan Markle, que expressaram a sua preocupação à empresa pela desinformação sobre a Covid-19 na plataforma, embora tenham assegurado que continuam dispostos a trabalhar com ela, explicou hoje um porta-voz da sua fundação, Archewell.

A posição dos duques de Sussex aconteceu depois de Neil Young e Joni Mitchell terem anunciado que retiravam a sua música do Spotify como protesto pela emissão do ‘podcast’ de Joe Rogan.

O presidente executivo da plataforma também insistiu hoje no compromisso do Spotify em lutar contra a desinformação assim como na educação sobre questões relacionadas com a Covid-19.

“Lançamos vários recursos educativos e campanhas para criar consciencialização e desenvolvemos e promovemos um centro de informação global de Covid-19”, rematou o presidente executivo do Spotify.

A Covid-19 provocou mais de 5,65 milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

A nova variante Ómicron, classificada como preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral e, desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta em novembro, tornou-se dominante em vários países, incluindo em Portugal.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Projeto liderado pela ESEnfC vence Prémio Erasmus+

O projeto europeu de capacitação para a prática de cuidados de enfermagem multiculturais, “MulticulturalCare”, liderado pela Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC) e com coordenação da professora Ana Paula Monteiro, foi vencedor do Prémio Erasmus+ na categoria de Parcerias de Cooperação no Ensino Superior do ano 2023, foi anunciado na última terça-feira.

Sindepor vai impugnar concurso da ARS Norte

O Sindicato Democrático dos Enfermeiros (Sindepor) vai “contestar juridicamente a alteração súbita das regras de um concurso destinado à contratação de 61 enfermeiros para a Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte”, divulgou hoje o Sindepor.

Número de mortos em esfaqueamento na Austrália sobe para seis

O número de vítimas mortais do esfaqueamento que ocorreu hoje num movimentado centro comercial em Sidney, na Austrália, subiu de cinco para seis, depois de um dos feridos hospitalizados ter sucumbido aos ferimentos, confirmou a polícia australiana.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights