Nova Iorque despede 3.000 funcionários não vacinados

11 de Fevereiro 2022

Nova Iorque planeia despedir esta sexta-feira cerca de 3.000 funcionários municipais que se recusaram a vacinar contra a Covid-19, apesar da norma de vacinação obrigatória instituída pela Câmara aos seus trabalhadores, revelou na quinta-feira o The New York Times.

Esta será a primeira onda de despedimentos devido à não vacinação e os afetados serão funcionários públicos que estavam de licença e que não apresentaram o comprovativo de vacinação contra a Covid-19.

Este número representa menos de um por cento do total de funcionários municipais, já que a administração local dá emprego a cerca de 370.000 pessoas, das quais 95% já receberam pelo menos uma dose da vacina, revelam dados divulgados pelo The New York Times.

A autarquia da ‘Big Apple’ determinou que os seus funcionários recebam pela menos uma dose da vacina para manterem os seus empregos, sendo que todos os novos contratados devem ter pelo menos duas doses.

Além das primeiras demissões, hoje é também o prazo limite para mil novos funcionários comprovarem que já receberam duas doses da vacina.

Cerca de 13 mil empregados municipais solicitaram algum tipo de isenção, seja por motivos de saúde, seja religiosos.

Vários sindicatos, que representam policias, bombeiros, professores ou outros grupos profissionais, processaram a autarquia esta semana para invalidar os despedimentos, embora estas tentativas ainda não tenham sido bem-sucedidas nos tribunais de Nova Iorque.

Na segunda-feira, várias centenas de pessoas marcharam pelas ruas da cidade em protesto contra estas exigências e para pedirem o fim das restrições contra a Covid-19.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada

Os trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada (PPP), garante Camilo Ferreira, coordenador da Comissão de Trabalhadores, que recordou, em conversa com o HealthNews, a exaustão dos profissionais naquele modelo de gestão e, como Entidade Pública Empresarial (EPE), a melhoria das condições de trabalho e do desempenho.

Governo quer “articulação virtuosa” entre entidades de saúde

O Governo está a avaliar as atribuições de entidades como a Direção-Executiva do SNS, a DGS e o Infarmed para garantir “uma articulação virtuosa” que consiga diminuir a burocracia e concretizar as políticas de saúde, anunciou hoje a ministra.

Menopausa: Uma doença ou um processo natural de envelhecimento?

A menopausa foi o “elefante na sala” que a Médis trouxe hoje ao Tejo Edifício Ageas Tejo. O tema foi abordado numa conversa informal que juntou diversos especialistas. No debate, os participantes frisaram que a menopausa não é uma doença, mas sim um “ciclo de vida”. 

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights