Metade da população autoavaliou estado de saúde como “bom” ou “muito bom” em 2021

25 de Fevereiro 2022

Metade da população com 16 ou mais anos autoavaliou o seu estado de saúde como “bom” ou “muito bom” em 2021, contrariando a tendência crescente que se verificava desde 2014, revela hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Os dados da publicação do INE “Rendimento e Condições de Vida Estado de Saúde 2021” precisam que esta autoavaliação positiva do estado de saúde foi feita por 50,2% da população, menos 1,1 pontos percentuais (p.p.) do que no ano anterior (51,3%).

“Este decréscimo foi integralmente compensado pelo aumento da proporção da população que avaliou o seu estado de saúde como razoável, de 35,5% em 2020 para 36,6% em 2021”, sublinha.

Apesar de ter diminuído em ambos os sexos, a avaliação positiva do estado de saúde continuou a ser mais frequente nos homens (54,2% em 2021 e 55,7% em 2020) do que nas mulheres (46,6% em 2021 e 47,4% em 2020), com uma diferença de quase 8 p.p..

Segundo o INE, as pessoas com o ensino secundário completo ou pós-secundário (66,2%) e o ensino superior (74,1%) registaram as maiores proporções de avaliação positiva do estado de saúde no ano passado.

Os resultados do estudo do INE apontam também que a prevalência da doença crónica ou de problemas de saúde prolongados afetou 43,9% da população residente em Portugal com 16 ou mais anos, mais 0,7 p.p. do que em 2020 e mais 2,7 p.p. do que em 2019, atingindo o valor mais elevado desde 2016.

“Em 2021, à semelhança dos anos anteriores, esta situação continuou a afetar mais mulheres (47%) do que homens (40,4%), e especialmente as pessoas idosas (71,4%), numa proporção equivalente a 2,1 vezes a das pessoas com menos de 65 anos (34,1%)”, refere o INE.

A prevalência de doenças crónicas ou de problemas de saúde prolongados afetou 80,1% da população sem qualquer nível de escolaridade completo, uma proporção bastante superior à das pessoas com ensino básico (53,3%) e quase três vezes das que têm o ensino secundário ou superior (ambas com cerca de 31%).

Esta situação afeta mais a população reformada (71,1%) em comparação com a empregada (30,9%) ou desempregada (40,6%).

Em 2021, 34,9% da população com 16 ou mais anos referiu ter alguma limitação na realização de atividades devido a problemas de saúde e, desta, 9,6% reportou um grau de limitação severo, refere o INE, salientando que é o valor mais alto desde 2016.

Esta situação afetou mais mulheres (39,0%) do que homens (30,2%) e a população idosa (60,8%).

O Centro foi a região que registou o maior número de população com este problema (37,6%), mas foi no Norte que a população indicou com maior frequência a situação de limitação com um grau mais severo, afetando quase 11%.

Os dados revelam também que 5,7% da população não conseguiu consulta médica sempre que necessitou, em 2021, o segundo ano consecutivo em que se verificou o aumento do indicador, em sentido contrário à tendência de declínio que se verificava desde 2015.

As dificuldades económicas foram o principal motivo para esta situação, apontado por 30% das pessoas (mais 1,6 p.p. face a 2020) e cerca de 60% referiram outras razões, destacando-se motivos relacionados com pandemia de covid-19.

Houve ainda 13,1% que não tiveram a acesso a cuidados dentários que necessitavam, mais 1,4 p.p. do que em 2020 e idêntica à de 2019.

O principal motivo apontado para esta situação foi a falta de disponibilidade financeira, representando quase 70% dos casos em 2021 (mais 0,9 p.p. do que em 2020).

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Projeto liderado pela ESEnfC vence Prémio Erasmus+

O projeto europeu de capacitação para a prática de cuidados de enfermagem multiculturais, “MulticulturalCare”, liderado pela Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC) e com coordenação da professora Ana Paula Monteiro, foi vencedor do Prémio Erasmus+ na categoria de Parcerias de Cooperação no Ensino Superior do ano 2023, foi anunciado na última terça-feira.

Sindepor vai impugnar concurso da ARS Norte

O Sindicato Democrático dos Enfermeiros (Sindepor) vai “contestar juridicamente a alteração súbita das regras de um concurso destinado à contratação de 61 enfermeiros para a Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte”, divulgou hoje o Sindepor.

Número de mortos em esfaqueamento na Austrália sobe para seis

O número de vítimas mortais do esfaqueamento que ocorreu hoje num movimentado centro comercial em Sidney, na Austrália, subiu de cinco para seis, depois de um dos feridos hospitalizados ter sucumbido aos ferimentos, confirmou a polícia australiana.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights