10/04/2022 | Lusa, Mundo, Notícias

Papa Francisco pede “trégua de Páscoa”

O Papa Francisco pediu hoje uma “trégua de Páscoa” pela paz na Ucrânia para acabar com “a loucura da guerra”, após a homília do Domingo de Ramos, que marcou o regresso dos fiéis à Basílica de São Pedro.

“Nada é impossível para Deus, inclusive pôr fim a uma guerra cujo fim não está à vista”, disse o Papa no final da missa do Domingo de Ramos, que abre a Semana Santa.

Citado pela agência EFE, Francisco apelou para que se deponham as armas e se alcance “uma trégua de Páscoa”, não para se rearmar, mas para “alcançar a paz por meio de uma verdadeira negociação, também disposta a fazer algum sacrifício pelo bem do povo”.

“Que vitória seria plantar uma bandeira num monte de ruínas?”, perguntou o Papa após a missa, celebrada na Praça de São Pedro perante milhares de fiéis, algo que não acontecia desde o início da pandemia.

Durante a missa, Francisco não aludiu explicitamente à Ucrânia, como vem fazendo desde o início da invasão russa, mas voltou a mostrar preocupação com um mundo “ferido” por conflitos como o que se vive naquele país.

O Papa recordou o martírio de Jesus para condenar a violência no mundo onde se cometem “crueldades absurdas”.

“Na loucura da guerra”, Cristo “é pregado na cruz mais uma vez nas mães que choram a morte injusta de maridos e filhos”, disse.

“É crucificado nos refugiados que fogem das bombas com crianças nos braços. É crucificado nos idosos abandonados à morte, nos jovens privados de futuro, nos soldados enviados para matar seus irmãos”, acrescentou Francisco.

O Papa Francisco ofereceu a mediação da Santa Sé para o conflito e já enviou ajuda à Ucrânia, para onde o cardeal polaco Konrad Krajewski está hoje a viajar.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1.626 civis, incluindo 132 crianças, e feriu 2.267, entre os quais 197 menores, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.

A guerra já causou um número indeterminado de baixas militares e a fuga de mais de 11 milhões de pessoas, das quais 4,4 milhões para os países vizinhos.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado.

Share This