Seis crianças ucranianas com cancro estão bem, garante diretora-geral da Acreditar

31 de Maio 2022

 As seis crianças ucranianas com cancro que chegaram em abril a Portugal com a família e estão a residir nas Casas Acreditar estão bem e os irmãos já estão quase todos matriculados na escola, segundo a diretora-geral da associação.

No dia 23 de abril, chegaram a Portugal seis crianças refugiadas ucranianas para receber tratamento oncológicos no Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto e de Lisboa, no Centro Hospitalar Universitário de São João, também no Porto, e no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra.

Desde essa data, as crianças e os familiares estão a viver nas casas de Lisboa, Porto e Coimbra da Acreditar – Associação de Pais e Amigos de Crianças com Cancro e, segundo a diretora-geral da associação, a adaptação está a correr bem.

“O importante é que os tratamentos dessas crianças tenham continuidade com qualidade e que elas estejam todas bem, estáveis. Isso para nós é que é fundamental e está a acontecer”, disse hoje à agência Lusa Margarida Cruz.

Relativamente às famílias, disse que “há todo um período de adaptação”, uma vez que são culturas diferentes, mas estão a adaptar-se uns aos outros e “está a correr muito bem”.

“As partes burocráticas já estão resolvidas. Temos os irmãos quase todos matriculados para poderem seguir o seu processo escolar e já temos algumas mães – só vieram mães com as crianças – a ter aulas de português e algumas a ter acompanhamento psicológico”, referiu.

Para facilitar a integração, a Acreditar tem tradutores e tem “soluções práticas” como o Google Trndutor que permite que comuniquem com as outras famílias que estão nas casas.

Nalguns casos, foi preciso levar um tradutor para a interacção com o próprio médico e com hospital, apesar de todos trazerem os documentos relevantes traduzidos para inglês, contou.

“Apesar disso, as pessoas precisam de fazer perguntas ao médico e perceber algumas questões relativamente aos seus filhos e, portanto, também precisamos de ajudar a esse nível”, salientou.

Também foi preciso dar algum apoio económico imediato, apoio para roupas e algum apoio logístico para as ajudar a tratar das questões mais burocráticas e de adaptação, como a questão escolar e, nalguns casos, apoio psicológico.

“Estamos a tentar tudo de forma também se sintam acolhidos e que estão aqui bem”, disse, ressalvando: “Não estabelecemos diferenças muito grandes em relação às outras famílias”.

Esta é uma questão fundamental para a Acreditar, nomeadamente em relação às crianças oriundas dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) que também vêm “em situações de muitas fragilidade económica, emocional e de saúde.

Sobre a chegada de mais crianças refugiadas, ao abrigo do Mecanismo Europeu de Proteção Civil, Margarida Cruz disse que a última informação que obteve foi que “o fluxo de famílias estava neste momento a abrandar bastante significativamente”.

“Aparentemente a Ucrânia está a tentar satisfazer algum tipo de tratamento na própria Ucrânia, nalgumas zonas que estão mais calmas e, portanto, estamos neste momento a aguardar”, referiu.

A Acreditar tem tido reuniões semanais de acompanhamento de todo este processo com todos os países da Europa e também com a Ucrânia, mas neste momento não tem notificada nenhuma necessidade a que tenha de dar resposta imediata.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Relatório de saúde STADA 2024: sistemas de saúde na Europa precisam de reformas urgentes

Os sistemas de saúde europeus estão em crise e necessitam de uma reforma urgente, revela o Relatório de Saúde da STADA 2024. Este inquérito representativo, que envolveu cerca de 46.000 entrevistados em 23 países europeus, destaca que os sistemas de saúde não conseguem atender adequadamente às necessidades de muitos europeus, levando-os a assumir a responsabilidade pela sua própria saúde.

A Associação Nacional dos Técnicos de Emergência Médica (ANTEM) denuncia em comunicado a “peocupante” situação do Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), relatando sérios constrangimentos no atendimento dos pedidos de ajuda pelo CODU

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights