25/06/2022 | Mundo, Notícias

Empresas dos EUA asseguram aos funcionários acesso ao aborto

Várias empresas norte-americanas anunciaram que vão oferecer aos seus funcionários o reembolso do custo da viagem para terem acesso a um aborto legal nos Estados Unidos, após o Supremo Tribunal do país ter anulado sexta-feira a proteção daquele direito.

Entre as companhias destacam-se o JPMorgan Chase, a Walt Disney, a Netflix e a Meta, que se juntam a outras que haviam anunciado políticas de apoio aos trabalhadores em maio, quando foi divulgado um rascunho que indicava a deliberação sobre o aborto.

A decisão do Supremo permite que cada estado decida manter ou proibir o direito ao aborto.

O JPMorgan, segundo a nota interna obtida pela rede de televisão CNBC, ofereceu aos seus funcionários benefícios adicionais no seguro de saúde para terem acesso a serviço que exigem viagens para fora do estado e especificamente para um “aborto legal”, conforme o seu concorrente Citigroup, o primeiro e único grande banco dirigido por uma mulher.

Também num comunicado, a Walt Disney reconheceu o impacto da medida e disse estar “comprometida” em prestar amplos serviços médicos aos seus funcionários independentemente de onde morem, reembolsando as viagens de planeamento familiar.

A Netflix disse à revista Variety que os seus funcionários em tempo integral nos Estados Unidos têm um benefício “perpétuo” de 10.000 dólares (cerca de 9,5 mil euros) para reembolsar o custo da viagem para tratamentos de cancro, transplantes, tratamentos de mudança de sexo ou abortos através do seguro da empresa.

A Meta, por seu lado, disse à imprensa que está a “avaliar” a possibilidade de reembolsar o custo dessas viagens fora dos estados para aceder a serviços “reprodutivos” na medida permitida por lei, mencionando as “complexidades jurídicas” do assunto.

Tesla, Apple, Amazon, Paramount, Starbucks, Levi’s, Yelp, Buzzfeed, Condé Nast, Uber, Lyft, Mastercard ou MatchGroup são outras empresas que disseram também oferecer reembolsos ou criticaram a revogação das proteções federais ao aborto.

O Supremo Tribunal dos EUA anulou a proteção do direito ao aborto em vigor no país há 49 anos.

Os juízes da mais alta instância judicial norte-americana, atualmente com uma maioria conservadora, decidiram anular a decisão do processo “Roe vs. Wade”, que, desde 1973, protegia como constitucional o direito das mulheres ao aborto.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado.

Share This