Vila do Conde garante acordo para construir nova unidade hospitalar pública

14 de Novembro 2022

A Câmara de Vila do Conde, no distrito do Porto, tem um acordo com o Ministério da Saúde para a construção de uma nova unidade hospitalar pública no concelho, que substituirá a existente, revelou esta segunda-feira o presidente da autarquia.

Vítor Costa explicou que este novo edifício, que será construído num terreno cedido pela autarquia, ao lado do atual hospital, surge num âmbito da “melhoria e restruturação” dos serviços do Centro Hospitalar Póvoa de Varzim/Vila do Conde, que tem polos nos dois concelhos, servindo uma população conjunta de mais de 150 mil pessoas.

“As instalações, em Vila do Conde, não são compatíveis com o que devem ser os cuidados de saúde hospitalar da atualidade para uma população tão vasta, e contrastam com o excelente trabalho dos profissionais de saúde do nosso Centro Hospitalar. Por isso, propusemos essa restruturação dos serviços com a construção de novo edifício”, disse o autarca vila-condense.

Vítor Costa vincou que o novo edifício vai substituir o atual polo de Vila do Conde do Centro Hospitalar, cujas instalações são arrendadas à Santa Casa da Misericórdia, e será construído num terreno contíguo, propriedade da autarquia, com 2.500 metros quadros, que está avaliado em 1,5 milhões de euros.

“Já há um acordo, que vai ser formalizado num protocolo entre a Câmara, o Centro Hospitalar e a Administração Regional de Saúde do Norte, para que esta nova unidade possa ser construída no terreno de um antigo palacete, junto à atual unidade, permitindo a instalação de novas valências, além das que já existem”, disse Vítor Costa.

O presidente da Câmara de Vila Conde revelou que já aconteceram reuniões de trabalho com o Ministério da Saúde sobre o assunto, e que, inclusive, o projeto para a nova unidade “já está a ser feito” com os serviços da tutela e os responsáveis do Centro Hospitalar.

“Nesta altura é difícil dizer o valor da obra, mas o que está previsto é um edifício com três pisos, e outros dois subterrâneos para estacionamento. Iremos continuar a trabalhar para a nova unidade ser uma realidade a breve prazo”, completou o autarca.

Vítor Costa lembrou que este projeto é independente das obras de restruturação e ampliação do edifício do polo da Póvoa de Varzim, mas que há “uma enorme sintonia” entre as duas autarquias para terem “um Centro Hospitalar realista, com duas unidades de proximidade no centro das duas cidades, prestando cuidados de saúde condizentes com o século XXI, e tendo um impacto na economia local”.

“Tanto eu como presidente da Câmara da Póvoa de Varzim estamos em uníssono nesta questão. Queremos um Centro Hospitalar que una os dois concelhos, com 150 mil utentes e que no verão, com todos os que nos visitam, ultrapassa os 200 mil. Queremos um Centro Hospitalar adequado para as nossas populações”, reforçou o autarca vila-condense.

Vítor Costa explicou, ainda, que, com o novo edifício do hospital em Vila do Conde, haverá uma “reorganização e otimização” dos serviços e recursos existentes, e que serão acrescentadas novas valências à unidade.

“Na Póvoa de Varzim ficará a urgência, serviços cirurgia e internamento, a unidade obstetrícia e ginecologia, entre outros, e em Vila do Conde funcionará a consulta externa, o serviço de cirurgia em ambulatório, com novas salas, a unidade de saúde mental, e novas valências como oftalmologia, e esperamos, também, uma unidade de hemodiálise”, revelou o presidente da Câmara de Vila do Conde.

Sobre o tempo para construção do novo edifício hospitalar no concelho, o autarca espera que o projeto fique concluído já em 2023 e se possa lançar o concurso público para ainda durante o atual mandato as obras arrancarem.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Luís Montenegro: “Concordo com a necessidade de valorizar a carreira dos bombeiros e estamos a trabalhar nisso”

Hoje, no debate sobre o estado da nação, o primeiro-ministro respondeu a Inês Sousa Real que concorda que é necessário valorizar a carreira dos bombeiros, mas o Governo está “a trabalhar nisso”, e garantiu que não está desatento à violência doméstica, tendo já avançado com um despacho para a criação de um grupo de trabalho “transversal” no âmbito do apoio à vítima.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights