Hospital de Braga encaminha doentes não urgentes para centros de saúde

12 de Dezembro 2022

O Hospital de Braga disponibiliza aos utentes não urgentes e pouco urgentes que acorram ao seu Serviço de Urgência (SU) a possibilidade de agendamento de consulta nos centros de saúde da sua área de referência, foi hoje anunciado.

Em comunicado, o hospital refere que a medida, em vigor desde 02 de dezembro, visa o alívio da “forte afluência” de utentes que se sente no seu SU neste período do ano e, consequentemente, reduzir os tempos de espera.

Desta forma, um utente que se dirija à Urgência do Hospital de Braga e que, na triagem de Manchester, receba uma pulseira azul (não urgente) ou verde (pouco urgente), “vai receber a proposta de agendamento de consulta num centro de saúde da sua área de residência, no próprio dia ou no dia seguinte, mediante as vagas disponibilizadas”.

Nestes casos, não será cobrada a taxa moderadora correspondente à ida ao hospital.

Esta medida resulta da parceria com os agrupamentos de centros de saúde Cávado I – Braga e Cávado II – Gerês Cabreira, que disponibilizam vagas diárias para estas consultas, bem como, alargaram o seu horário de funcionamento para apoiar a população no período de Inverno.

O diretor do SU do Hospital de Braga, Arnaldo Pires, apela aos utentes para que, antes de se dirigirem àquele serviço, liguem para a Linha SNS 24 ou recorram aos centros de saúde.

“Em caso de doença grave, serão encaminhados para a Urgência. Desta forma, vão permitir que os recursos do hospital sejam concentrados na resolução dos casos clínicos verdadeiramente urgentes”, refere.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights