Autarcas recolheram sugestões antes de reunião com ministro sobre hospital de Setúbal

20 de Dezembro 2022

Os presidentes das Câmaras de Setúbal, Palmela e Sesimbra, ouviram esta segunda-feira uma mão cheia de sugestões para a reunião de hoje no Ministério da Saúde, pedida após o encerramento temporário da urgência pediátrica do Centro Hospitalar de Setúbal.

A “inclusão de um representante das três autarquias no Conselho de administração do Centro Hospitalar de Setúbal (CHS)” foi uma das sugestões do Presidente da Liga dos Amigos do Hospital de São Bernardo, Cândido Teixeira, a par das críticas que fez à indiferença do poder legislativo face à saída dos médicos a custo zero para o setor privado.

“O parlamento não tem coragem para mudar a lei”, disse Cândido Teixeira, considerando que a atual situação, em que os médicos “são formados no Serviço Nacional de Saúde (SNS) e depois saem para o setor privado” sem qualquer contrapartida, é incomportável para o SNS e para o país.

Cândido Teixeira falava no Fórum Intermunicipal de Saúde nos Paços do Concelho, em Setúbal, organizado pelos três municípios da Arrábida (Setúbal, Palmela e Sesimbra), na área de influência do CHS, para ouvirem a opinião de diversas entidades sobre a atual situação no Hospital de São Bernardo, principal unidade de saúde do CHS.

A sindicalista Zoraima Prado, do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), também apontou um conjunto de problemas existentes na saúde, que considerou ser necessário corrigir, a começar pelo “subfinanciamento do SNS”.

“Há um ataque ao capital humano do SNS que promove a sua saída para o setor privado”, disse Zoraima Prado, que acusou o estado de promover o “negócio da saúde” do setor privado.

O oncologista Jorge Espírito Santo, da Federação Nacional dos Médicos e da Ordem dos Médicos, entre outras sugestões, exortou os três autarcas a convidarem o ministro a negociar com os médicos.

“O senhor ministro que aceite negociar as condições de trabalho e de progressão na carreira dos médicos. Às vezes nem é uma questão de dinheiro, mas uma questão de satisfação, de diferenciação profissional”, acrescentou.

“Há muitas propostas em cima da mesa para negociar”, frisou Jorge Espírito Santo, que considerou “inaceitável” o transporte de grávidas para outras unidades hospitalares a mais de 150 quilómetros de distância, bem como o encerramento da urgência pediátrica do Hospital de São Bernardo durante uma semana (de 06 a 12 de dezembro)”.

No encontro, no âmbito do Fórum Intermunicipal de Saúde de Setúbal, os presidentes dos municípios de Setúbal (André Martins), Palmela (Álvaro Amaro) e Sesimbra (Francisco Jesus), ouviram ainda vários alertas para o agravamento da situação em diversas unidades de saúde da região, face à saída constante de profissionais de saúde do SNS para o setor privado.

O ortopedista Nuno Fachada, ex-diretor clínico do CHS, que o ano passado juntamente com mais 80 médicos alertou para a degradação progressiva da prestação de cuidados de saúde no Hospital de São Bernardo, considerou que a situação “está pior do que há um ano”.

Nuno Fachada deixou também críticas à Ordem dos Médicos por não ter viabilizado a criação da especialidade de urgência hospitalar, que considerou ser uma posição de “pendor corporativo”.

Referindo-se às obras de ampliação do Hospital de São Bernardo, que ainda não começaram, Nuno Fachada reiterou a ideia de que aquele hospital ficará ainda pior do que está, caso se concretize a possibilidade, de que se tem falado nos últimos anos, de ter de acolher todos os serviços do Hospital Ortopédico do Outão.

 Na reunião marcada para as 19:00 de terça-feira com o ministro da Saúde, os presidentes das câmaras de Setúbal, Palmela e Sesimbra, entre outras medidas, vão defender a necessidade de um reforço imediato de meios humanos no Hospital de São Bernardo, para evitar os sucessivos encerramentos temporários das urgências e de algumas valências, devido à falta de médicos.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Sindicatos ouvidos na Comissão de Saúde alertam para “condições muito precárias” no SNS

Os sindicatos dos trabalhadores da saúde falam em “condições muito precárias” para doentes e profissionais. O problema no SNS não é só a carreira: chove dentro de gabinetes, há cadeiras rotas e computadores que não dão resposta. “Não houve investimento na tecnologia como deveria ser”, disse Joana Bordalo e Sá, presidente da FNAM, na Comissão de Saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights