Torres Novas cria incentivos para fixação de médicos no concelho

6 de Janeiro 2023

O regulamento municipal para atribuição excecional de incentivos à fixação de médicos de medicina geral e familiar nas unidades de saúde de Torres Novas entrou em vigor, após publicação em Diário da República, anunciou a autarquia.

Em comunicado, a Câmara Municipal de Torres Novas (distrito de Santarém) afirma que o regulamento prevê o pagamento mensal de “um incentivo no valor máximo” de 400 euros “para comparticipar a aquisição ou o arrendamento de habitação ou, em alternativa, as despesas de deslocação do local de habitação para a Unidade de Saúde”.

Os médicos de medicina geral e familiar que se fixem no concelho poderão também beneficiar de devolução, entre 10% e 20%, do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), no caso de imóvel destinado a habitação própria e permanente coincidente com o domicílio fiscal do proprietário, bem como da redução das taxas municipais de urbanismo (construção ou remodelação de habitação própria), ambos em função do número de dependentes.

O município afirma que, apesar das “múltiplas solicitações, pressões, reivindicações e propostas junto das entidades competentes, não foi possível resolver ou até minorar os problemas sentidos no concelho ao nível dos cuidados de saúde primários que afetam diretamente a população”, o que levou à criação do regulamento.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights