Serviços prisionais indicam que tratamento de reclusos com hepatite C ficou abaixo dos 10% em 2022

16 de Fevereiro 2023

A Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) confirmou esta quarta-feira que a taxa de tratamento de reclusos portugueses infetados com hepatite C em 2022 ficou abaixo dos 10%.

Em resposta à Lusa, fonte oficial da DGRSP indicou que “tendo como data de referência 31 de dezembro de 2022 havia” um total de 935 reclusos diagnosticados com hepatite C e somente 76 em tratamento, o que se traduz num acesso ao tratamento para apenas 8,1% da população prisional infetada com esta patologia.

A informação surge na sequência da divulgação do relatório “O Estado da Saúde nas Prisões na Região Europeia da OMS” [Organização Mundial de Saúde] e que revelou, com base em dados de 2020, que menos de 10 por cento dos reclusos portugueses diagnosticados com hepatite C tinham efetuado tratamento nos 12 meses anteriores.

Portugal registou então um total de 965 reclusos diagnosticados com hepatite C, o que correspondeu a 8,5% da população prisional desse ano (total de 11.412 pessoas), indicando que apenas 81 dessas pessoas infetadas com hepatite C receberam tratamento antiviral, ou seja, 8,4 por cento dos reclusos com este diagnóstico.

O ministro da Saúde, Manuel Pizarro, tinha referido, em reação aos números divulgados pelo documento da OMS, que Portugal evoluiu já ao nível do tratamento da hepatite C entre os reclusos, assegurando que os dados estariam “muito desatualizados”.

“Até fiquei preocupado quando vi esse número, achei-o muito mau; os números são muitíssimo melhores do que esses e vamos divulgar muito rapidamente qual é a situação atual. Esse é o número obtido no momento em que os dados do relatório foram recolhidos”, afirmou ontem de manhã o governante.

Na comparação dos dados fornecidos à OMS em 2020 com os dados enviados entretanto pela DGRSP à Lusa, é possível observar que houve uma ligeira redução no número de reclusos diagnosticados com hepatite C (965 para 935, menos 30) e nos que foram submetidos a tratamento (81 para 76, menos cinco), baixando de 8,4% para 8,1%, a taxa de reclusos que tiveram acesso ao tratamento.

A hepatite C é uma inflamação do fígado provocada pelo vírus da hepatite C que, quando crónica, pode conduzir à cirrose, insuficiência hepática e cancro, de acordo com a página eletrónica do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Segundo o relatório de 2022 do Programa Nacional para as Hepatites Virais (PNHV), a hepatite C é a primeira infeção crónica viral e oncogénica com cura possível, estando o tratamento disponível em Portugal desde 2015 com taxas de cura superiores a 95%.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights