Berlusconi tem leucemia e está a ser tratado por infeção pulmonar

6 de Abril 2023

O ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi tem leucemia crónica e está internado em Milão para tratar uma infeção pulmonar, segundo um boletim clínico divulgado hoje pelo seu médico pessoal.

Alberto Zangrillo indica que Berlusconi sofre de leucemia mielomonocítica crónica há já algum tempo e é nesse quadro clínico que “está hospitalizado nos cuidados intensivos para tratar uma infeção pulmonar”.

É a primeira comunicação oficial sobre o estado de saúde do político e empresário, que foi por três vezes líder do Governo italiano, desde que foi internado no hospital de San Raffaele de Milão.

A estratégia de tratamento passa por tratar a infeção pulmonar e combater a leucemia com um tratamento para reduzir as células cancerosas no sangue.

O boletim é assinado por Zangrillo, chefe das unidades de anestesia e cuidados intensivos de San Raffaele, e por Fabio Ciceri, chefe da unidade de transplantes de medula.

Na quarta-feira, os ‘media’ italianos disseram que Berlusconi, líder do partido Forza Italia, estava a receber tratamento para problemas cardiovasculares e para repor o nível de oxigénio no sangue.

Nos últimos anos, Berlusconi sofreu vários problemas de saúde, incluindo doenças cardíacas e uma infeção com o vírus da COVID-19, que motivou a sua hospitalização em estado crítico com pneumonia.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights