OMS confirma 15 casos com a doença de Marburgo na Guiné Equatorial

17 de Abril 2023

A Organização Mundial da Saúde (OMS) confirmou um total de 15 casos de infeção com a doença de Marburgo na Guiné Equatorial e 11 mortes, números divulgados na semana passada pelo país.

Desde que o anterior relato sobre o surto de doença foi publicado em 22 de março, com dados de 21 de março, a OMS afirmou, em comunicado, que os novos dados registam “seis casos adicionais confirmados em laboratório da doença de Marburgo” relatados na Guiné Equatorial.

O novo balanço “eleva o total para 15 casos confirmados em laboratório e 23 casos prováveis desde a declaração do surto, a 13 de fevereiro de 2023″.

Entre os casos laboratorialmente confirmados “há 11 mortes (rácio de casos fatais 78,6%, para um caso confirmado o resultado é desconhecido), e todos os casos prováveis estão mortos”, refere ainda a OMS.

O distrito mais afetado é Bata, na província do Litoral, tendo sido comunicados nove casos confirmados pelo laboratório, avança.

A OMS diz também na nota que apoia o Ministério da Saúde do país, reforçando diferentes pilares de resposta à doença, não se limitando à vigilância, incluindo nos pontos de entrada, laboratório, gestão de casos, prevenção e controlo de infeções, comunicação de risco e envolvimento da comunidade.

Em 30 de março, a OMS avaliou o risco de saúde pública representado por este surto da doença “como muito elevado a nível nacional, elevado a nível sub-regional, moderado a nível regional e baixo a nível global”.

Na nota emitida no sábado, a OMS aconselhou restrições às viagens internacionais e ao comércio na Guiné Equatorial.

Em 13 de fevereiro, o Ministério da Saúde e Bem-Estar Social da Guiné Equatorial declarou um surto da doença do vírus de Marburgo (MVD) após a suspeita de mortes por febre hemorrágica viral entre 07 de janeiro e 07 de fevereiro de 2023, e um caso testado positivo em 12 de fevereiro para o vírus de Marburgo por reação em cadeia de polimerase em tempo real (RT-PCR) no Instituto Pasteur em Dacar, Senegal.

A 11 de abril, o Ministério da Saúde equato-guineense divulgou um novo balanço provisório de mortes devido à epidemia do vírus de Marburgo que já confirmava os 11 óbitos.

O mais recente óbito registado pelas autoridades devido à epidemia, que subsiste há cerca de três meses, foi registado em 03 de abril, referia.

Na sua declaração, publicada na rede social Twitter, o ministério também mencionava 15 casos positivos, nenhum dos quais hospitalizados, e 385 casos de contacto que estavam a ser acompanhados, comparativamente aos 604 que tinham sido comunicados na semana anterior.

Os casos deste tipo de febre hemorrágica espalharam-se da província oriental de Kie-Ntem, onde causou as primeiras mortes conhecidas em 07 de janeiro, para Bata, a capital económica do pequeno país da África Central, onde foram confirmados nove casos, de acordo com as autoridades.

Duas semanas antes deste relatório, a OMS exortou a Guiné Equatorial a comunicar casos do vírus de Marburgo, temendo uma potencial “epidemia em grande escala” que poderia afetar os vizinhos Gabão e Camarões.

E anunciou o destacamento de “peritos adicionais” e disse que estava “também a ajudar o Gabão e os Camarões a reforçar a preparação e resposta à epidemia”.

O vírus é transmitido aos humanos por morcegos da fruta e propaga-se através do contacto direto com os fluidos corporais das pessoas infetadas, ou com superfícies e materiais.

A taxa de mortalidade é de até 88%.

Não há vacina aprovada ou tratamento antiviral para o vírus, no entanto, os cuidados de apoio – reidratação oral ou intravenosa – e o tratamento de sintomas específicos aumentam as hipóteses de sobrevivência.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

APAH defende autonomia após ministra anunciar auditoria

 A Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (APAH) defendeu hoje autonomia para as administrações tomarem decisões, depois de a ministra da Saúde anunciar a criação de uma comissão para auditar os conselhos de administração dos hospitais.

Enfermeiros denunciam situação “explosiva” na Linha SNS 24

A Linha SNS 24 vive uma situação “explosiva” e, entre os enfermeiros que prestam serviço nesta linha de atendimento, já se fala em paralisação. A denúncia é feita pelo Sindicato dos Enfermeiros (SE), que teve conhecimento do caso por meio de uma exposição dos enfermeiros que ali prestam serviço, em tempo parcial.

Violência contra a pessoa idosa em debate

A Câmara Municipal de Ponta Delgada (São Miguel, Açores) promove na próxima sexta-feira, às 9h30, uma palestra subordinada ao tema da consciencialização da violência contra a pessoa idosa, isto na véspera do dia mundial que lhe é dedicado pela Organização das Nações Unidas.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights