Médicos sudaneses advertem que o colapso do sistema de saúde é “iminente”

29 de Abril 2023

O Sindicato dos Médicos do Sudão adverte que "o colapso do sistema de saúde é iminente" e que a maioria dos hospitais do país está fora de serviço devido aos combates que decorrem há quase duas semanas

“Os serviços de saúde estão ameaçados de encerramento devido à continuação das operações militares e às violações do cessar-fogo em curso”, declarou o sindicato através de um comunicado.

O sindicato alertou também para a “escassez aguda” de equipamento e pessoal médico, bem como de passagens seguras para as ambulâncias acederem às zonas de combate para tratar os feridos, acusando o exército e as Forças de Apoio Rápido (RSF, sigla em inglês) de atacarem as instalações de saúde.

Segundo a fonte, mais de 70% dos hospitais das zonas onde se desenrolam os combates estão completamente fora de serviço, enquanto cerca de 20 centros médicos foram bombardeados desde o início dos combates, a 15 de abril.

A situação é também particularmente grave para os doentes que sofrem de insuficiência renal aguda, uma vez que os centros de diálise que assistem 12.000 pessoas estão a fechar ou a ficar sem provisões, “pondo em risco a vida destes doentes”.

O Sudão entrou hoje no 14.º dia consecutivo de combates, apesar de o exército e as RSF terem concordado em prolongar a trégua por mais 72 horas, mas os combates prosseguiram na capital Cartum e noutras zonas do oeste do país.

A trégua anterior, também de 24 horas, foi igualmente violada desde o início, mas a violência diminuiu, o que permitiu acelerar a retirada de cidadãos estrangeiros e a deslocação de sudaneses para zonas mais seguras do país.

Segundo dados da ONU e outras instituições, cerca de 50.000 pessoas fugiram do território sudanês para os países vizinhos desde o dia 15, principalmente para o Chade, o Sudão do Sul e o Egito.

A ONU estima que, se a violência continuar, poderá levar à deslocação de mais de 270.000 pessoas.

Até agora, pelo menos 512 pessoas morreram e mais de 4.000 ficaram feridas nos combates, segundo o sindicato dos médicos sudaneses.

Os combates seguiram-se a semanas de tensão sobre a reforma das forças de segurança nas negociações para a formação de um novo governo de transição. Ambas as forças estiveram por trás do golpe conjunto que derrubou o executivo de transição do Sudão, em outubro de 2021.

NR/HN/Lusa

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Álcool mata 2,6 milhões de pessoas por ano

O álcool mata 2,6 milhões de pessoas por ano, alertou hoje a Organização Mundial da Saúde (OMS), considerando que este número permanece “inaceitavelmente elevado”, apesar da descida ligeira que tem registado nos últimos anos.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights