OCDE alerta contra redução das despesas dos países com saúde

7 de Novembro 2023

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) alertou hoje contra a redução das despesas dos países em saúde, numa altura em que as populações ainda não recuperaram totalmente da pandemia de covid-19.

“Os sistemas de saúde estão sob pressão financeira”, num “clima económico difícil, com prioridades concorrentes que condicionam os fundos públicos disponíveis”, alerta hoje a OCDE no relatório “Saúde em relance 2023”, que junta indicadores dos 38 países que a compõem.

Em 2019, antes da pandemia, os países da OCDE gastaram, em média, 8,8% do PIB em cuidados de saúde, um valor estável durante anos, que subiu para 9,7% para enfrentar a covid-19 e que agora baixou para 9,2%.

Ora, para a OCDE, esta redução é um risco para a estabilidade do setor em muitos países, que têm mais casos de doença mental – mais 20% de casos de depressão em relação ao período pré-pandémico – e uma população mais fragilizada e envelhecida.

A isso soma-se o facto de uma “inflação elevada ter reduzido recentemente os salários do setor da saúde em alguns países, tornando mais difícil atrair e manter os profissionais”, refere a OCDE – que incluiu Portugal entre os países que registaram “salários reais estagnados ou em declínio” -, num contexto em que os “principais indicadores de saúde da população mostram que as sociedades ainda não recuperaram totalmente da pandemia, com muitas pessoas ainda a debaterem-se mental e fisicamente”.

Os problemas económicos e as limitações ao acesso dos serviços públicos estão a tornar “os cuidados de saúde menos acessíveis” e as “pessoas com menos recursos têm, em média, três vezes mais probabilidades do que os indivíduos com mais rendimentos de adiar ou não procurar cuidados de saúde”.

Apesar disso, a pandemia trouxe melhorias na relação com os utentes, como a “prescrição segura nos cuidados primários”, com “reduções no volume médio de antibióticos, opiáceos e prescrições de longo prazo de anticoagulantes”.

Os internamentos hospitalares evitáveis também diminuíram, mas 57% dos médicos e enfermeiros hospitalares consideram que “os níveis de pessoal e o ritmo de trabalho não são seguros”.

A esperança de vida diminuiu 0,7 anos em média nos países da OCDE entre 2019 e 2021. “Ataques cardíacos, acidentes vasculares cerebrais e outras doenças circulatórias causaram mais de uma em cada quatro mortes; uma em cada cinco mortes deveu-se a cancro, e a covid-19 causou 7% de todas as mortes em 2021”, pode ler-se no relatório.

Segundo a OCDE, “quase um terço de todas as mortes poderiam ter sido evitadas através de intervenções de prevenção e de cuidados de saúde mais eficazes e atempadas”, em sociedades onde as disparidades socioeconómicas são também sentidas: quase metade das pessoas com menos rendimentos tem doenças crónicas.

“Os estilos de vida pouco saudáveis e os ambientes degradados provocam a morte prematura de milhões de pessoas”, com o “tabagismo, o consumo nocivo de álcool, a inatividade física e a obesidade na origem de muitas doenças crónicas”, refere a OCDE.

As taxas de obesidade continuam a aumentar, com 54% dos adultos com excesso de peso ou obesos, e os dados indicam que o consumo de tabaco tem vindo a diminuir. No entanto, “16% das pessoas com 15 anos ou mais ainda fumam diariamente e a utilização regular de produtos de cigarros eletrónicos (vaping) está a aumentar”.

No caso do álcool, 19% dos adultos disse consumir em excesso pelo menos uma vez por mês, em média, com taxas superiores a 30% na Alemanha, no Luxemburgo, no Reino Unido e na Dinamarca.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights