População manifesta-se contra falta de cirurgia de urgência em Mirandela

26 de Novembro 2023

Cerca de 500 utentes manifestaram-se hoje junto ao hospital de Mirandela num cordão humano contra o encerramento temporário do serviço da urgência médico-cirúrgica, num protesto organizado pelo município.

Desde 08 de outubro que não há cirurgia de urgência naquela unidade hospitalar por causa da escusa dos médicos a mais horas extraordinárias além das 150 previstas na lei.

Os recursos humanos estão a ser concentrados no hospital de Bragança, capital de distrito, para onde são encaminhados os doentes, a cerca de 60 quilómetros de distância.

Entre os manifestantes que empunhavam cartazes onde se lia, por exemplo, “é urgente ter urgência cirúrgica”, “+ de 60km não é opção” ou “a emergência não espera”, estava Irene da Conceição, de 79 anos, antiga funcionária da limpeza do hospital.

“Já tiraram a maternidade, já tiraram as cirurgias para Bragança… Acho mal o que está a acontecer”, disse à Lusa.

E deu um exemplo: ”Eu sou mesmo daqui, sinto-me mal, preciso de uma urgência, não vão as ambulâncias para outros lados. É aqui! Toda a vida foi aqui!”, enfatizou.

Com Irene estava Rosa Simão. “Faz falta a parte da cirurgia aqui em Mirandela. Porque ir daqui a Bragança é muito longe e podem-se perder vidas. 60 quilómetros podem fazer a diferença.”, afirmou quando questionada sobre o motivo que a levou a juntar-se à manifestação.

Carla Serrano é auxiliar no hospital, na parte da Medicina Interna. Hoje juntou-se aos utentes. “Acho que a união faz a força e é inadmissível tirarem um serviço que faz muita falta a Mirandela e arredores. Vamos ver se conseguimos alterar alguma coisa. E é um sítio estratégico, onde faz falta”, justificou.

Sónia Costa foi outras das manifestantes, porque não quer que “haja o encerramento”. “A nós aqui tiram-nos tudo, infelizmente”, lamentou à Lusa.

Junto ao hospital foi instalado um pequeno palanque com um sistema de som, de onde foi lido um manifesto sobre os motivos do protesto, com palmas e vivas de quem ouvia.

Além do regresso imediato da cirurgia de urgência, pede-se, entre outros, a criação de um centro materno infantil, o reforço das equipas médicas ou o aumento dos meios de emergência pré-hospitalar.

Depois, os participantes caminharam de mãos dadas na envolvente do hospital e de parte do edifício, onde terminou a manifestação.

Algumas entidades locais, como o Moto Clube de Mirandela ou os escuteiros também marcaram presença.

O hospital de Mirandela faz parte da Unidade Local de Saúde do Nordeste. Tem como principal área de abrangência o sul do distrito de Bragança. Além de Mirandela, serve Vila Flor, Carrazeda de Ansiães, Torre de Moncorvo e Alfândega da Fé. Segundo os últimos censos, estes concelhos transmontanos têm cerca de 44 mil habitantes.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla” de Emanuel Ribeiro abre em Lisboa

O artista Emanuel Ribeiro apresenta três das suas mais impactantes obras – “À Deriva”, “Grito Mudo” e “Libertação” – na exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla”. Organizada pela Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla (SPEM), com o apoio da Merck e do El Corte Inglés (ECI), a exposição visa retratar as complexidades, desafios e triunfos da vida com esclerose múltipla.

Futuros nutricionistas enfrentam “tubarões” no Teatro Thalia

A NOVA Medical School vai trazer para a academia o conhecido modelo de captação de negócio ‘Shark Tank’, dia 28 de junho no Teatro Thalia, em Lisboa, proporcionando uma plataforma para os alunos finalistas da Licenciatura em Ciências da Nutrição se apresentarem ao mercado de trabalho.

Relatório de saúde STADA 2024: sistemas de saúde na Europa precisam de reformas urgentes

Os sistemas de saúde europeus estão em crise e necessitam de uma reforma urgente, revela o Relatório de Saúde da STADA 2024. Este inquérito representativo, que envolveu cerca de 46.000 entrevistados em 23 países europeus, destaca que os sistemas de saúde não conseguem atender adequadamente às necessidades de muitos europeus, levando-os a assumir a responsabilidade pela sua própria saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights