Criação da ULSO prevê ganhos em saúde para a população da região Oeste

2 de Janeiro 2024

A Unidade Local de Saúde do Oeste (ULSO) anunciou que o processo de transição prevê "uma maior integração de cuidados, maior capacidade de resposta e apoio à população e que sejam potencializados ganhos em saúde para toda a população da região Oeste".

A ULSO irá agregar o Centro Hospitalar do Oeste com o ACES Oeste Norte (Centros de Saúde do Bombarral, Caldas da Rainha, Óbidos e Peniche) e o ACES Oeste Sul (com exceção do Centro de Saúde de Mafra).

Em comunicado, é referido que “no decorrer dos últimos meses, o Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Oeste em conjunto com a Direção Executiva do ACES Oeste Sul e com a Direção Executiva do ACES Oeste Norte trabalharam em conjunto no processo de desenvolvimento da ULSO, com o objetivo de garantir (…) uma estrutura apta a receber a nova dinâmica e organização que será nova para todos os Profissionais.”

“Salienta-se que o processo de transição para a nova entidade não implicará constrangimentos na prestação de cuidados, nem exigirá por parte dos utentes, alterações no relacionamento com as várias Instituições que irão integrar esta nova Entidade”, lê-se ainda na nota de imprensa.

A população residente da área geográfica de influência da ULS do Oeste será de 235.231 habitantes, distribuídos por aproximadamente 1.348 km2.

Atualmente o Centro Hospitalar do Oeste integra os hospitais de Caldas da Rainha, Peniche e Torres Vedras, tendo uma área de influência constituída pelas populações dos concelhos de Caldas da Rainha, Óbidos, Peniche, Bombarral, Torres Vedras, Cadaval e Lourinhã e de parte dos concelhos de Alcobaça (freguesias de Alfeizerão, Benedita e São Martinho do Porto) e de Mafra (com exceção das freguesias de Malveira, Milharado, Santo Estêvão das Galés e Venda do Pinheiro), abrangendo 298.390 habitantes.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Luís Meira diz que Força Aérea não tinha meios para ajudar INEM

O presidente demissionário do INEM revelou hoje que quando o instituto foi forçado a reduzir o serviço de helicópteros durante a noite, no início do ano, contactou a Força Aérea, que disse não ter meios para poder garantir a resposta necessária.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights