Conselho apela ao envolvimento dos médicos na luta contra alterações climáticas

8 de Março 2024

O Conselho Português para a Saúde e Ambiente (CPSA) apelou hoje aos profissionais de saúde para aparecerem e alertarem que as alterações climáticas não são “um problema de ambientalistas nem de jovens radicais”, mas dizem respeito a todos.

O alerta foi feito pelo presidente do CPSA, o internista Luís Campos, que foi o primeiro autor de um documento de consenso assinado por médicos de 29 países de língua portuguesa e espanhola, intitulado “Recomendações dos Serviços de Medicina Interna Luso-Espanhóis no Combate às Alterações Climáticas e à Degradação Ambiental”, que foi divulgado na quinta-feira.

Em declarações hoje à agência Lusa, Luís Campos afirmou que “as alterações climáticas e a degradação ambiental são o maior desafio” que o sistema de saúde tem pela frente.

“Vai ser a determinante da saúde que mais impacto vai ter na saúde das populações e acreditamos que os médicos têm uma particular responsabilidade em envolver-se nesta luta contra as alterações climáticas e degradação ambiental, porque estão a afetar a saúde das populações”, defendeu.

O especialista elucidou que cerca de uma em cada quatro pessoas morre a nível global por fatores ambientais e realçou o papel dos médicos neste combate, porque “além de serem cuidadores, devem também ser advogados dos doentes”.

“Além disso, têm um capital de confiança elevado na comunidade, que não pode ser desperdiçado. Portanto, é importante que os médicos e os profissionais de saúde em geral apareçam a dizer que este não é um problema de ambientalistas nem de jovens radicais é um problema que nos diz respeito a todos”, defendeu.

Para Luís Campos, estes profissionais também têm o dever de solidariedade intergeracional: “Não podemos comprometer o futuro das próximas gerações, que são as gerações dos nossos filhos e dos nossos netos”.

O especialista salientou a importância do documento de consenso, publicado em simultâneo na “Revista Clínica Española” da Sociedade Espanhola de Medicina Interna e na revista “Medicina Interna”, órgão oficial da SPMI, a apelar a um maior envolvimento dos profissionais de saúde na luta contra as alterações climáticas e a degradação ambiental.

“Conseguimos reunir pela primeira vez, em qualquer área da ciência, num consenso comum, todas as 35 associações de 29 países que incluem todos os países que falam espanhol e falam português”.

As recomendações dos especialistas vão no sentido de as organizações de saúde cooperarem e intervirem conjuntamente nestas questões, e de se aplicarem boas práticas de sustentabilidade ambiental no exercício das atividades de saúde.

Apelam também à redução da pegada ecológica no setor da saúde, que é responsável a nível global por 4,4% da emissão de gases com efeito estufa e em Portugal é cerca de 4,8%.

Para os especialistas, os sistemas de saúde devem ser “cada vez mais resilientes e capazes de responder à transição epidemiológica em curso e ao maior risco de eventos inesperados”.

Chamam também a atenção para a necessidade de proteger as populações mais vulneráveis, porque são quem vai “sofrer em primeiro lugar”, e de os profissionais de saúde serem exemplares na adoção de comportamentos amigos do ambiente.

Questionado se já há alguma mudança na mentalidade para esta problemática, Luís Campos respondeu: “Existe um interesse crescente dos profissionais de saúde e das sociedades em relação a este tema, mas ainda estamos longe entre aquilo que podemos fazer e a importância do desafio que enfrentamos”.

Luís Campos avançou que o CPSA está a organizar um observatório nacional da saúde e ambiente para monitorizar o impacto que as alterações climáticas e a degradação ambiental estão a ter na saúde das populações.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

APAH defende autonomia após ministra anunciar auditoria

 A Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (APAH) defendeu hoje autonomia para as administrações tomarem decisões, depois de a ministra da Saúde anunciar a criação de uma comissão para auditar os conselhos de administração dos hospitais.

Enfermeiros denunciam situação “explosiva” na Linha SNS 24

A Linha SNS 24 vive uma situação “explosiva” e, entre os enfermeiros que prestam serviço nesta linha de atendimento, já se fala em paralisação. A denúncia é feita pelo Sindicato dos Enfermeiros (SE), que teve conhecimento do caso por meio de uma exposição dos enfermeiros que ali prestam serviço, em tempo parcial.

Violência contra a pessoa idosa em debate

A Câmara Municipal de Ponta Delgada (São Miguel, Açores) promove na próxima sexta-feira, às 9h30, uma palestra subordinada ao tema da consciencialização da violência contra a pessoa idosa, isto na véspera do dia mundial que lhe é dedicado pela Organização das Nações Unidas.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights