Gatos podem infetar outros gatos com SARS-CoV-2

15 de Maio 2020

Três gatos infetados com o vírus que provoca a Covid-19 transmitiram o vírus a outros três gatos, de acordo com um estudo realizado em laboratório e publicado no “The New […]

Três gatos infetados com o vírus que provoca a Covid-19 transmitiram o vírus a outros três gatos, de acordo com um estudo realizado em laboratório e publicado no “The New England Journal of Medicine” por uma equipa de investigadores que trabalha em Tóquio (Japão) e Wisconsin (Estados Unidos).

Os investigadores enfatizam que não existe evidência de transmissão da infeção dos gatos para os seres humanos. Pelo contrário, assinalam que é mais provável que sejam os humanos a transmitir o vírus aos animais de estimação.

A equipa infetou três gatos com grandes doses de SARS-CoV-2, diretamente nos olhos, narinas, boca e traqueia. Os gatos infetados foram alojados, aos pares, com gatos não infetados, dividindo o mesmo espaço, comida, água e ar. Cinco dias depois, os gatos não infetados apresentaram resultado positivo para SARS-CoV-2 em zaragatoas nasais.

Após o primeiro teste positivo, todos os gatos continuaram com resultado positivo durante cerca de cinco dias, o que significa que provavelmente estavam infetados  e capazes de transmitir o vírus aos outros durante esses cinco dias.

Os exames de sangue mostraram que os gatos produziram anticorpos durante 24 dias após a primeira infeção. Nenhum dos gatos mostrou sintomas. Todos os seis gatos mantiveram a temperatura corporal normal, bem como o mesmo peso e comportamento durante toda a experiência.

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos informou, no início de abril, que leões e tigres do Jardim Zoológico do Bronx, em Nova Iorque, atendidos por um tratador que posteriormente testou positivo para Covid-19, também apresentavam sintomas de doenças respiratória. O único animal testado foi realmente positivo para SARS-CoV-2.

Os investigadores afirmam que a evidência mostra que os humanos podem transmitir o vírus aos gatos, e que estes podem transmitir o vírus para outros gatos. Daí a forte necessidade de entender mais detalhadamente o papel potencial dos animais de estimação na pandemia de Covid-19.

A equipa observa que é necessário adotar precauções simples de higiene, como lavar as mãos e evitar animais obviamente doentes, para proteger a saúde dos humanos e dos animais ao mesmo tempo.

O Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar do Japão recomendou a adoção das seguintes precauções para prevenir a infeção ao interagir com os animais:

・ Evite o contacto excessivo com animais para evitar infeções transmitidas por animais;
・ Lave bem as mãos após o contacto com os animais e use um desinfetante à base de álcool;
・ Evite o máximo de contacto desnecessário, principalmente se o seu animal não estiver a sentir-se bem.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos, recomendam a adoção de práticas de higiene essenciais para cuidar dos animais de estimação durante a pandemia da Covid-19, incluindo lavar as mãos antes e depois de tocar no animal ou na sua comida. resistir à vontade de o beijar ou deixar-se lamber.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde Animal, se as pessoas infetadas com SARS-CoV-2 não tiverem mais ninguém para tratar dos seus animais de estimação, devem manter as boas práticas de higiene e usar uma máscara facial para evitar transmitir-lhes o vírus. Tanto quanto possível, os animais devem ser mantidos dentro de casa mas evitando-se os contactos desnecessários.

 

AO/HN

Ref. Bibliográfica: Peter J. Halfmann, Masato Hatta, Shiho Chiba, Tadashi Maemura, Shufang Fan, Makoto Takeda, Noriko Kinoshita, Shin-ichiro Hattori, Yuko Sakai-Tagawa, Kiyoko Iwatsuki-Horimoto, Masaki Imai, Yoshihiro Kawaoka. 13 May 2020. Transmission of SARS-CoV-2 in Domestic Cats. The New England Journal of Medicine (NEJM).

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Expansão do modelo ULS

Fernando Araújo é um dos autores de um artigo publicado na revista “Frontiers in Public Health”, em maio deste ano, que explica a história e perspetiva o futuro do modelo ULS.

Cérebro humano consegue distinguir vozes deepfake de vozes reais

Os nossos cérebros processam vozes naturais e vozes deepfake de forma diferente? Pesquisas realizadas na Universidade de Zurique indicam que sim. Num novo estudo, investigadores identificaram duas regiões cerebrais que respondem de maneira distinta a vozes naturais e a vozes deepfake.

Solidão e problemas de saúde mental estão interligados

Os resultados de um estudo realizado por investigadores da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia (NTNU), da Universidade de Oslo, da UiT Universidade do Ártico da Noruega, da OsloMet, do Hospital Universitário de Oslo e do Hospital Innlandet e publicados na BJPsych Open, mostram que pessoas solitárias têm maior probabilidade de tomar medicação para depressão, psicose e outros distúrbios mentais.

Pressão arterial elevada associada a pior cognição em adolescentes

Adolescentes com pressão arterial elevada e rigidez arterial podem experienciar funções cognitivas mais fracas, de acordo com um estudo recente finlandês realizado por investigadores das universidades de Jyväskylä e de Eastern Finland, ambas na Finlândia.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights