APNEP alerta para elevado aumento de doentes malnutridos por causa da pandemia

27 de Maio 2020

A Associação Portuguesa de Nutrição Entérica e Parentérica (APNEP) assegura que o número de doentes malnutridos “aumentou de forma drástica durante a pandemia”. A associação acusa as entidades de saúde de se terem esquecido dos doentes durante o combate à Covid-19.

De acordo com a APNEP os números de malnutrição já eram preocupantes antes da pandemia. O presidente da APNEP, Aníbal Marinho, garante que o contexto atual veio agravar ainda mais a situação. “Se antes da covid-19, a realidade destes doentes já era preocupante, agora é ainda mais, sobretudo no domicílio onde não há qualquer tipo de acompanhamento”.

Um estudo realizado pelo Grupo de Estudos de Medicina Interna da APNEP, publicado no início do ano, demonstrava que 73% dos doentes internados em Medicina Interna estão malnutridos, sendo que desses 56% apresentam malnutrição moderada e 17% malnutrição grave.  Aníbal Marinho acredita que neste momento estes números sejam muito superiores.

O presidente da APNEP denuncia a falta de acompanhamento destes doentes depois de terem alta hospitalar, durante a crise da Covid-19. “Muitos destes doentes agravam o seu estado nutricional ainda durante o internamento e quando têm alta saem sem qualquer apoio do Estado para manter a nutrição clínica em casa”.

E acrescenta que “ninguém pensou ou planeou o acompanhamento destes doentes numa altura tão crítica como esta que vivemos”.

Todos os anos Portugal regista mais de 115 mil casos de doentes no domicílio em risco nutricional. É nestes sentido que a APNEP defende que “é  urgente criar linhas de apoio para estes doentes, de forma a evitar que voltem para os hospitais em pior estado clínico do que estavam e acabem por lá falecer.”

Estima-se que em Portugal 2 em cada 4 doentes internados estejam em risco nutricional, valores que representam o dobro da média europeia (1 em cada 4). A APNEP garante que “esta condição clínica está fortemente associada ao aumento da mortalidade e morbilidade, ao declínio funcional, e à permanência hospitalar prolongada, levando a um aumento dos custos em saúde para o estado.”

HN/ Vaishaly Camões

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Expansão do modelo ULS

Fernando Araújo é um dos autores de um artigo publicado na revista “Frontiers in Public Health”, em maio deste ano, que explica a história e perspetiva o futuro do modelo ULS.

Cérebro humano consegue distinguir vozes deepfake de vozes reais

Os nossos cérebros processam vozes naturais e vozes deepfake de forma diferente? Pesquisas realizadas na Universidade de Zurique indicam que sim. Num novo estudo, investigadores identificaram duas regiões cerebrais que respondem de maneira distinta a vozes naturais e a vozes deepfake.

Solidão e problemas de saúde mental estão interligados

Os resultados de um estudo realizado por investigadores da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia (NTNU), da Universidade de Oslo, da UiT Universidade do Ártico da Noruega, da OsloMet, do Hospital Universitário de Oslo e do Hospital Innlandet e publicados na BJPsych Open, mostram que pessoas solitárias têm maior probabilidade de tomar medicação para depressão, psicose e outros distúrbios mentais.

Pressão arterial elevada associada a pior cognição em adolescentes

Adolescentes com pressão arterial elevada e rigidez arterial podem experienciar funções cognitivas mais fracas, de acordo com um estudo recente finlandês realizado por investigadores das universidades de Jyväskylä e de Eastern Finland, ambas na Finlândia.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights