Risco de segunda vaga de coronavírus é alto em França, aponta estudo

5 de Junho 2020

O risco de uma segunda vaga de covid-19 em França é "extremamente elevado", de acordo com um estudo publicado hoje, que aponta que o número de pessoas suscetíveis de contágio permanece alto, com baixa percentagem de imunizados.

Os autores do estudo, elaborado por investigadores do Instituto Nacional de Investigação Agrícola e Ambiental (INRAE) e publicado na revista “Frontiers in medicine”, aconselham prudência no desconfinamento e sublinham a importância de manter a distância social e as medidas de higiene.

Através da aplicação de modelos matemáticos complexos e de projeções estatísticas, os investigadores concluíram que no início de maio, quando terminou o confinamento da população, ainda existiam cerca de 100 mil casos infecciosos no país.

O investigador Lionel Roques, que liderou o estudo, disse à agência de notícias espanhola Efe que, antes do confinamento, os casos de infeção aumentavam 25% por dia, mas que mesmo após as medidas instauradas pelo Governo para limitar a interação social, a redução do número de casos positivos foi muito lenta, rondando apenas 5% por dia.

De acordo com o modelo estatístico elaborado pelos autores do estudo, quando a pandemia atingiu o pico em França, no início de abril, havia um milhão de contágios. Destes, mais de um mês depois, ainda permaneciam 100 mil.

As medidas de confinamento decretadas pelo Governo de Macron levaram a que a taxa de infeções por doente fosse dividida por sete (o chamado factor R), para atingir 0,5, mas o investigador advertiu que é suficiente que esse indicador atinja 1,4 para que uma segunda vaga ocorra.

Este aumento já se verificou no início da pandemia, quando a propagação da doença surpreendeu as autoridades, limitando o seu tempo de reação.

Por outro lado, o estudo aponta que a chamada “imunidade de grupo” está longe de ser alcançada em França, onde, segundo projeções, apenas três milhões de pessoas desenvolveram anticorpos, o que representa 4% da população, longe dos 70% necessários.

O responsável do estudo precisou que este valor é uma estimativa baseada em infeções confirmadas, mas não reflete o valor real, já que não foram realizados testes em massa.

O investigador considerou “incompreensível” que França não tenha realizado um estudo de seroprevalência maciço, como fizeram países como Espanha, o que teria permitido uma melhor compreensão da penetração da doença na população, da sua distribuição territorial e da taxa de letalidade do vírus, defendeu em declarações à Efe.

Uma vez levantadas as medidas de contenção, só medidas sociais e de higiene podem impedir que uma segunda vaga atinja uma intensidade que colocaria de novo em risco o sistema de saúde do país, afirmou Roques.

O investigador acredita no entanto que o confinamento introduziu novos hábitos nos costumes franceses, como a higiene das mãos ou a generalização do uso das máscaras, que podem reduzir para metade a taxa de infeção por doente.

“É o único elemento que pode impedir que o número de infeções volte a pôr em risco o sistema de saúde”, afirmou.

A segunda fase do fim do confinamento em França começou no dia 02 de junho, com a possibilidade de regressar às esplanadas e de viajar para distâncias superiores a 100 quilómetros.

Desde o início da pandemia, aquele país registou 29.065 mortos e mais de 189 mil casos de covid-19.

A nível global, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 389 mil mortos e infetou mais de 6,5 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), paralisando setores inteiros da economia mundial, num “grande confinamento” que vários países já começaram a aliviar face à diminuição dos novos contágios.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

UC integra estudo mundial sobre aumento da obesidade

Mais de um bilião de pessoas vivem atualmente com obesidade no mundo, segundo um estudo internacional em que participaram investigadores da Universidade de Coimbra (UC), divulgou a instituição.

Quinze ULS terão equipas dedicadas na área da Saúde Mental

Os primeiros Centros de Responsabilidade Integrados dedicados à Saúde Mental vão arrancar em 15 Unidades Locais de Saúde, numa primeira fase em projeto-piloto e durante 10 meses, segundo uma portaria publicada em Diário da República.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights