Fragilidade é melhor prognóstico que idade na previsão de sobrevivência à Covid-19

20 de Agosto 2020

Nova investigação do Instituto Karolinska mostra que o grau de fragilidade, a medição do nível funcional de uma pessoa antes de contrair a doença, pode prever melhor a sobrevivência à […]

Nova investigação do Instituto Karolinska mostra que o grau de fragilidade, a medição do nível funcional de uma pessoa antes de contrair a doença, pode prever melhor a sobrevivência à Covid-19 do que a idade do paciente. A análise de 250 adultos mais velhos multimórbidos que receberam tratamento no Hospital Universitário do Instituto Karolinska em Huddinge, na Suécia, mostra também que três de cada quatro destes pacientes sobreviveu. O estudo foi publicado no Jornal da Associação Americana de Diretores Médicos.

A população mais envelhecida tem um risco aumentado de desenvolver casos graves de Covid-19 e morrer de doença, mas as diferenças individuais são grandes. AS recomendações gerais na Suécia para o distanciamento social aplicam-se a todos os cidadãos com mais de 70 anos, independentemente do seu estado de saúde.

Os investigadores do Instituto Karolinska e do Hospital Universitário Karolinska analisaram a informação de 250 pacientes que foram tratados para a Covid-19 no Aging Theme do Hospital Universitário do Instituto Karolinska em Huddinge entre 1 de março e 11 de junho deste ano. Cerca de 76% dos pacientes sobreviveu à hospitalização. “É gratificante ver que muitos destes pacientes mais velhos e multimórbidos com Covid-19 consegue sobreviver”, diz Sara Hägg, professora associada em epidemiologia molecular no Departamento de Epidemologia Médica e Bioestatistica no Instituto Karolinska, uma das principais autoras do estudo. “De qualquer forma, não sabemos o que o acontece depois do período de tratamento; como está a sua saúde depois um período mais longo? É isso que queremos seguir agora”.

A idade mais avançada, mas também a fragilidade, foi ligada ao aumento do risco de morte durante o período do tratamento. A fragilidade é um conceito relativamente novo que é utilizado como uma ferramenta para descrever o nível funcional de um paciente antes de o individuo sofrer de uma doença aguda.  Um resultado de fragilidade superior a cinco numa escala de um a nove chamada Clinical Frialty Scale foi dado como estando mais associado com o aumento da mortalidade em pacientes com Covid-19 do que a idade do paciente. Um resultado de seis significa que o paciente precisa de ajuda com todas as atividades ao ar livre, na manutenção da casa e para tomar banho.

“É uma descoberta interessante, que a fragilidade parece ser uma melhor medida do que a idade na previsão da sobrevivência à Covid-19”, diz Juulia Jylhävä, uma das outras autoras e investigadoras na área da fragilidade do mesmo departamento. “Mas, claro, existem vários outros fatores que têm um efeito, tais como outras condições médicas subjacentes e biomarcadores. Isto é também algo a que queremos prestar mais atenção no futuro”.

No longo termo, o estudo pode conduzir a recomendações clinicas melhoradas que digam respeito ao tratamento de pacientes mais velhos com coronavírus.

“Existe a necessidade de conhecimento baseado em provas que possa criar melhores condições para aqueles que trabalhando no campo dos cuidados de saúde consigam lidar com a pandemia e oferecer os melhores cuidados possíveis”, diz Dorota Religa, consultora no Aging Theme no Hospital Universitário Karolinska, professora associada em geriatria no Departamento de Neurobiologia, Ciências de cuidados e Sociedade no Instituto Karolinska e iniciadora do estudo.

“Podemos ver que com o tratamento certo, muitos dos nossos pacientes mais velhos e seriamente doentes sobrevive. Isso é gratificante, e precisamos de mais investigação”.

O estudo foi financiado pelo Concelho de Investigação Sueco, pela região de Estocolmo, pela Fundação Sjukhem de Estocolmo, pela Fundação Knut e Alice Wallenber, pelo Instituto Karolinska, pela Fundação Maçónica Rei Gustavo V e Rainha Vitória, pela Fundação da Família Osterman e pela Área de Investigação Estratégica em Epidemologia (SfoEpi) do Instituto Karolinska.

NR/HN/João Daniel Ruas Marques

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Expansão do modelo ULS

Fernando Araújo é um dos autores de um artigo publicado na revista “Frontiers in Public Health”, em maio deste ano, que explica a história e perspetiva o futuro do modelo ULS.

Cérebro humano consegue distinguir vozes deepfake de vozes reais

Os nossos cérebros processam vozes naturais e vozes deepfake de forma diferente? Pesquisas realizadas na Universidade de Zurique indicam que sim. Num novo estudo, investigadores identificaram duas regiões cerebrais que respondem de maneira distinta a vozes naturais e a vozes deepfake.

Solidão e problemas de saúde mental estão interligados

Os resultados de um estudo realizado por investigadores da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia (NTNU), da Universidade de Oslo, da UiT Universidade do Ártico da Noruega, da OsloMet, do Hospital Universitário de Oslo e do Hospital Innlandet e publicados na BJPsych Open, mostram que pessoas solitárias têm maior probabilidade de tomar medicação para depressão, psicose e outros distúrbios mentais.

Pressão arterial elevada associada a pior cognição em adolescentes

Adolescentes com pressão arterial elevada e rigidez arterial podem experienciar funções cognitivas mais fracas, de acordo com um estudo recente finlandês realizado por investigadores das universidades de Jyväskylä e de Eastern Finland, ambas na Finlândia.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights