Especialistas afirmam que “estamos a pagar o preço” do alívio no Natal

7 de Janeiro 2021

O aumento de casos de Covid-19 verificado esta quarta-feira deve-se ao alívio das restrições no país durante a época do Natal, sendo previsível que os números se mantenham altos nos próximos dias, afirmaram especialistas à Lusa.

“Estamos a pagar o preço de ter aliviado um bocadinho as medidas de contenção quando foi o Natal e o Ano Novo. Foi um risco calculado e não se pode dizer que fosse surpresa para quem está por dentro destas coisas”, afirmou o infeciologista Jaime Nina.

Portugal registou ontem 10.027 novos casos de infeção com o novo coronavírus, o valor diário mais elevado desde o início da pandemia, e 91 mortes relacionadas com a Covid-19, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Este é o maior aumento diário de infeções desde o início da pandemia, ultrapassando o máximo registado em 31 de dezembro, dia em que foram notificados 7.627 casos.

Segundo disse à Lusa Jaime Nina, infeciologista do Hospital Egas Moniz, só vai começar a verificar-se uma diminuição significativa do número de infeções por Covid-19 “quando se começar a sentir o impacto da vacinação, particularmente, nos idosos e nos lares”.

“Lá para fim de março ou início de abril, se não tivermos passado para metade o número de mortos que temos neste momento, fico muito admirado”, referiu.

Jaime Nina adiantou ainda que “faz confusão” que o Governo “continue só a insistir na máscara, no confinamento e, até certo ponto, no distanciamento social” e que só estejam a ser feitos rastreios de uma “minoria de casos” em Portugal.

Para o infeciologista, o Serviço Nacional de Saúde “já está com uma resposta deficiente neste momento” aos doentes não covid, o que terá efeitos na mortalidade nos próximos anos.

“Um tumor no cólon ou da mama não mata logo a seguir. Demora vários anos a matar. Devido a atrasos de diagnóstico e de terapêutica que aconteceram em 2020, as consequências vão sentir-se, em termos de mortalidade, em 2021, 2022, 2023 e 2024”, alertou.

Também em declarações à Lusa, o virologista Pedro Simas considerou que “era esperado que, devido ao aumento significativo do número de contactos no Natal e no Ano Novo, aumentassem as infeções” pelo vírus SARS-CoV-2.

Os números de hoje “devem-se aquilo que era esperado e que sociedade portuguesa estava à espera”, adiantou Pedro Simas, ao admitir que nos próximos dias o número de casos “pode aumentar” no país.

“Estamos a viver o princípio do efeito dos contactos. Cada vez se torna mais difícil conter a disseminação do vírus, porque cada vez mais há novos focos de infeção”, referiu o especialista, para quem “vai notar-se uma grande diferença” nos números da pandemia com a vacinação progressiva que já está a decorrer.

Pedro Simas defendeu que, face à situação epidemiológica em Portugal, é importante proteger as pessoas que pertencem a grupos de risco e que estão fora dos lares.

“Entre 01 de outubro e 15 de dezembro, 75,5% da mortalidade veio dessas pessoas e isso faz com que seja necessário proteger esses grupos de risco”, salientou Pedro Simas, que disse concordar com a orientação dada aos hospitais públicos da região de Lisboa e Vale do Tejo para suspender a atividade não urgente e elevar os seus planos de contingência devido ao agravamento da situação epidemiológica.

“O que é expectável é uma maior pressão sobre o Serviço Nacional de Saúde. É previsível que isso seja o início de uma fase exponencial e temos de nos preparar. Concordo com essa medida”, afirmou.

A pandemia provocou pelo menos 1.869.674 mortos resultantes de mais de 86,3 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 7.377 pessoas dos 446.606 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla” de Emanuel Ribeiro abre em Lisboa

O artista Emanuel Ribeiro apresenta três das suas mais impactantes obras – “À Deriva”, “Grito Mudo” e “Libertação” – na exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla”. Organizada pela Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla (SPEM), com o apoio da Merck e do El Corte Inglés (ECI), a exposição visa retratar as complexidades, desafios e triunfos da vida com esclerose múltipla.

Futuros nutricionistas enfrentam “tubarões” no Teatro Thalia

A NOVA Medical School vai trazer para a academia o conhecido modelo de captação de negócio ‘Shark Tank’, dia 28 de junho no Teatro Thalia, em Lisboa, proporcionando uma plataforma para os alunos finalistas da Licenciatura em Ciências da Nutrição se apresentarem ao mercado de trabalho.

Relatório de saúde STADA 2024: sistemas de saúde na Europa precisam de reformas urgentes

Os sistemas de saúde europeus estão em crise e necessitam de uma reforma urgente, revela o Relatório de Saúde da STADA 2024. Este inquérito representativo, que envolveu cerca de 46.000 entrevistados em 23 países europeus, destaca que os sistemas de saúde não conseguem atender adequadamente às necessidades de muitos europeus, levando-os a assumir a responsabilidade pela sua própria saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights