Associação defende que os ginásios devem permanecer abertos em caso de confinamento geral

11 de Janeiro 2021

A Portugal Activo|AGAP, associação que representa as empresas de ginásios, defende que é fundamental para os portugueses continuarem a praticar exercício físico e que os ginásios devem manter-se abertos, mesmo em caso de um novo confinamento geral.

Em comunicado enviado à Lusa, a AGAP revela que “está a acompanhar com toda a atenção a evolução da situação pandémica em Portugal” e que, mesmo perante um cenário de um novo confinamento geral, “é fundamental permitir aos portugueses que continuem a praticar exercício físico”.

“Acreditamos que estão reunidas todas as condições para que os clubes de fitness possam manter-se abertos e estar à disposição para a prática de atividade física. O impacto de um novo confinamento pode representar uma situação irreversível para a saúde dos portugueses”, alerta a associação.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da AGAP, José Carlos Reis, afirma que desconhece, por agora, se os ginásios vão ser encerrados, mas admite que tem “um mau pressentimento” e que, a confirmar-se, será um revés para o setor e para a saúde dos portugueses.

“Voltar a encerrar os ginásios é uma marcha atrás, porque cria uma grande instabilidade nas pessoas e as leva a pensar que os nossos espaços são perigosos e um foco de propagação do vírus, o que na realidade não se comprova”, frisa José Carlos Reis, que sublinha que “os ginásios portugueses são locais seguros”, “apresentam taxas de contágio próximas de zero” e “têm um papel importantíssimo na saúde física e emocional”.

No seu comunicado, a AGAP classifica como “marginal” a taxa de infeções nos ginásios e refere que “não há dúvidas de que os clubes são locais seguros para a prática de exercício físico”.

Ciente de que um novo encerramento pode também significar a falência de muitos agentes deste sector, o presidente da AGAP diz que, por agora, não é esse o foco da associação, mas sim o impacto que essa decisão pode ter na saúde da população.

“As pessoas que têm hábito de prática de exercício físico têm uma saúde imunitária muito mais fortalecida do que as que não praticam. Numa situação de pandemia, o facto de praticar exercício é uma grande vantagem e não faz sentido encerrar uma atividade que reforça a saúde das pessoas”, conclui o dirigente da AGAP.

A pandemia de Covid-19 provocou pelo menos 1.926.570 mortos resultantes de mais de 89 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 7.803 pessoas dos 483.689 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

O estado de emergência decretado em 09 de novembro para combater a pandemia foi renovado com efeitos desde as 00:00 de 08 de janeiro, até dia 15.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla” de Emanuel Ribeiro abre em Lisboa

O artista Emanuel Ribeiro apresenta três das suas mais impactantes obras – “À Deriva”, “Grito Mudo” e “Libertação” – na exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla”. Organizada pela Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla (SPEM), com o apoio da Merck e do El Corte Inglés (ECI), a exposição visa retratar as complexidades, desafios e triunfos da vida com esclerose múltipla.

Futuros nutricionistas enfrentam “tubarões” no Teatro Thalia

A NOVA Medical School vai trazer para a academia o conhecido modelo de captação de negócio ‘Shark Tank’, dia 28 de junho no Teatro Thalia, em Lisboa, proporcionando uma plataforma para os alunos finalistas da Licenciatura em Ciências da Nutrição se apresentarem ao mercado de trabalho.

Relatório de saúde STADA 2024: sistemas de saúde na Europa precisam de reformas urgentes

Os sistemas de saúde europeus estão em crise e necessitam de uma reforma urgente, revela o Relatório de Saúde da STADA 2024. Este inquérito representativo, que envolveu cerca de 46.000 entrevistados em 23 países europeus, destaca que os sistemas de saúde não conseguem atender adequadamente às necessidades de muitos europeus, levando-os a assumir a responsabilidade pela sua própria saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights