Sanofi estuda possibilidade de fabricar vacinas de concorrentes

15 de Janeiro 2021

A farmacêutica Sanofi e o governo francês estão a estudar a possibilidade de o grupo francês usar as suas cadeias de produção para fabricar vacinas contra a Covid-19 dos laboratórios Pfizer-BioNTech e Janssen, disse esta sexta-feira a ministra da Economia.

O grupo farmacêutico francês está a desenvolver duas vacinas, mas que não deverão estar disponíveis antes do final de 2021.

A ministra francesa da Economia, Agnès Pannier-Runacher, disse hoje que pediu ao grupo que estudasse a possibilidade de disponibilizar as suas cadeias de produção até então para a fabricação de vacinas anti-covid de outros grupos farmacêuticos como a BioNTech e a Janssen.

Sem citar o nome do laboratório, a Sanofi, citada pela agência AFP, indicou que “avalia em particular a viabilidade técnica de realizar temporariamente certas etapas de fabricação para apoiar outros fabricantes de vacinas Covid-19”, enfatizando que é “nesta fase” uma “reflexão ainda muito preliminar”.

Segundo a ministra francesa, a questão é antes de mais de natureza “técnica”, se tem equipas suficientes e quanto tempo demoraria a desenvolver esta produção.

A farmacêutica francesa Delpharm anunciou em novembro que produziria parte das vacinas contra a Covid-19 da Pfizer-BioNTech, na sua fábrica na Normandia.

A fábrica da sua concorrente Recipharm, por sua vez, deverá produzir a vacina da Moderna a partir do final de fevereiro ou início de março, especificou a ministra Pannier-Runacher em 8 de janeiro.

O porta-voz do governo francês Gabriel Attal disse na sexta-feira que as vacinas “produzidas em território francês” entrarão “na cota” de vacinas encomendadas pela União Europeia e distribuídas para a França de acordo com sua população.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Estudo propõe critérios para atualização periódica do pagamento da hemodiálise

O estudo “Preço compreensivo da hemodiálise em Portugal”, do especialista em economia da saúde Eduardo Costa, conclui que a introdução de um modelo dinâmico de preço compreensivo e a eventual revisão do modelo de gestão integrada da doença renal crónica serão instrumentos cruciais para garantir a continuidade da excelência dos cuidados de hemodiálise.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights